31.12.13

Sobremesa de festa para entrar em 2014

Era de pensar que depois dos exageros da festa natalícia, eu fizesse uma pausa em fazer doces durante a semana de intervalo para a festa do Ano Novo, não era? Poooisss... mas não! Existem hábitos difíceis de quebrar, e fim de semana sem bolinho, não parece fim de semana! Além de que com este tempo "maravilhoso" de chuva e frio, a vontade de aquecer a cozinha e ao mesmo tempo perfumar o ar com algo doce e saboroso a crescer no forno torna-se irresistível.

Com um resto de puré de abóbora no frigorífico a precisar de ser usado, e sem ovos disponíveis (posso dizer que nesta altura do ano a minha tia parece a mãe galinha, ninguém se atreve a tocar nos preciosos ovos, primeiro para a festa de Natal e agora para a do Ano Novo), lembrei-me de uma receita que estava debaixo da minha mira gulosa. Sim, sou péssima em lembrar-me dos nomes das pessoas e outras coisas bem importantes, mas vá-se lá saber em bolos e doces, a minha memória surpreende-me até a mim própria. E neste caso, tenho que dizer obrigada memória, mas principalmente um grande obrigada ao delicioso blog Kanela Y Limon, por me ter dado a conhecer esta delícia!




Monkey Bread de Abóbora e Chocolate
adaptado daqui

125ml de leite
100g de puré de abóbora *
40g de manteiga ou margarina
50g de açúcar (usei mascavado claro)
450g de farinha T65
25g de fermento de padeiro fresco

açúcar e canela misturados q.b.
manteiga derretida q.b. (usei 2 colheres de sopa)
pepitas de chocolate q.b. (usei 150g de chocolate partido grosseiramente)

Bimby:
Colocar o leite, o puré de abóbora, a manteiga e o açúcar no copo: 1,30 min + 37ºC + vel 1.
Adicionar a farinha e desfazer o fermento na farinha com os dedos: 10seg + vel 6 e depois 3 min + vel espiga.
Deixar a massa crescer até levantar completamente o copinho da bimby.
Empurrar a massa com a espátula para baixo: 1 min + vel espiga.
Retirar a massa para uma bancada polvilhada com farinha.
Seguir as restantes instruções abaixo indicadas.

Máquina do pão:
Aquecer o leite até ficar morno e amolecer a manteiga no micro-ondas uns segundos.
Colocar na cuba o leite, a manteiga, o puré, o açúcar, a farinha e o fermento desfeito com os dedos por cima da farinha.
Correr 2 vezes o programa de amassar, na minha máquina dura 10 minutos.
Colocar a massa numa tigela untada com azeite e coberta com película aderente e um pano seco até ter dobrado de volume.
Retirar a massa para uma bancada polvilhada com farinha, e amassar um bocado até retirar algum do ar da massa, para ser mais fácil ao estendê-la com o rolo.
Seguir as restantes instruções abaixo indicadas.

Tradicional:
Dissolver o fermento em leite morno e amolecer a manteiga no micro-ondas uns segundos.
Juntar o açúcar com a farinha e formar um vulcão numa bancada.
Colocar no centro, a manteiga e o puré.
Ir adicionando leite aos poucos, ao mesmo tempo que se amassa tudo.
Amassar bem pelo menos 10 minutos, até ficar uma massa suave e elástica.
Colocar a massa numa tigela untada com azeite e coberta com película aderente e um pano seco até ter dobrado de volume.
Retirar a massa para uma bancada polvilhada com farinha, e amassar um bocado até retirar algum do ar da massa, para ser mais fácil ao estendê-la com o rolo.
Seguir as restantes instruções abaixo indicadas.


Estender a massa com um rolo até ficar num rectângulo.
Cortar aos rectângulos pequenos de 1x2cm e depois formar bolinhas com cada pedacinho. Não fazer bolinhas muito grandes, pois elas ainda vão crescer na forma.
Passar cada bolinha na manteiga derretida e em seguida na mistura de açúcar e canela. A minha mistura tinha muita canela, por isso elas ficaram mais escurinhas.
Colocar cada bolinha numa forma tipo bundt ou pão de ló, com buraco no meio.
Entre as camadas das bolinhas espalhar as pepitas ou os pedaços de chocolate.
Ao terminar, colocar um pano seco por cima da forma e deixar levedar/crescer cerca de 45 minutos. Podem colocar no micro-ondas, por ser um sítio mais seco e quente.
No final do tempo de repouso, colocar a forma em forno bem pré-aquecido a 180ºC com ventoinha até que esteja dourado, cerca de 20 minutos será suficiente.
Deixar arrefecer uns 5 a 10 minutos antes de desenformar.

*Para fazer o puré de abóbora, cortei uma abóbora manteiga ao meio, coloquei numa folha de papel vegetal num tabuleiro de forno, com a casca virada para cima, e deixei assar durante 25 minutos a 180ºC. No final, retirei as pevides e a casca com uma colher e triturei a abóbora em puré.




Depois é só retirarem uma bolinha e deliciarem-se, e depois mais uma e outra, e "bolas" como é difícil de parar de comê-las!

E com este Monkey Bread delicioso, aqui está a última receita do ano, com todos os sabores que caracterizam esta quadra do ano, e com uma apresentação digna de uma mesa de festa.

Espero que o próximo ano seja repleto de doces momentos para todos, sempre com saúde para continuar a gozar a vida e que aqueles que vos amam e vos fazem felizes estejam sempre por perto.

Beijinhos,






19.12.13

Bolachas para o Pai Natal

Em criança o Natal era a minha época do ano preferida, pela qual eu esperava com muito ansiedade e expectativa à mistura. (Agora, são as férias de Verão! :)
Os presentes entregues aos meninos bem comportados através do Pai Natal, emissário do Menino Jesus, eram deixados debaixo da chaminé durante a noite de 24 para 25. Por isso, quando acordava, saltava da cama com uma energia nunca vista no resto do ano, e ia procurar em que chaminé o Pai Natal teria deixado o tal aguardado presente! 

O dia em que descobri a "verdade" sobre o Pai Natal, foi um dos dias mais tristes da minha vida! Não estou a brincar, o momento do "balde de água fria", está congelado na minha memória, e eu sou péssima em relembrar tempos passados. 
Aconteceu, assim: estava numa aula na quarta classe, quando a professora começou a falar do Natal, e fez a seguinte pergunta: "Vocês sabem quem na verdade é o Pai Natal, não é? Quem vos dá os vossos presentes no dia de Natal?"
E eu penso para os meus botões, "Que raio de pergunta é essa?!" 
Enquanto, à minha volta os meus colegas, dizem "Sim!", "Claro!"
A minha cabeça baralhada, pensa, provavelmente ela quer dizer que na verdade é o Menino Jesus. 
A professora prossegue e pergunta: "Quem é, então?" 
E os meus colegas, "São os nossos pais"...e a minha deixa "É o Menino Jesus!" morre-se nos meus lábios, de tão chocada que fiquei!
A conversa continuou, mas a minha mente bastante perturbada, estava a tentar processar uma verdade, que alterou completamente a expectativa e a experiência da época do Natal a partir de então.

Quando nos tornámos pais, a vontade de recriar magia nesta época atinge-nos com força, pois o nosso desejo é que os nossos filhos mantenham a inocência inerente à idade, o máximo de tempo possível!
O meu filho mais velho, já me disse que ter descoberto a "verdade" sobre o Pai Natal, foi e usando as suas próprias palavras, "muito mau e gostava de puder continuar sem saber!" Como te percebo, filhote!
O pequeno, pelo contrário, ainda está no reino da magia, e por minha vontade, há-de lá ficar por muito e muito tempo, até que a realidade ou alguns "realistas" façam furar a bolha!

E para manter a magia da época, vamos lá fazer umas bolachinhas para o Pai Natal, pode ser? E como a fornada é grande e não convém que ele as coma todas sozinho, sempre pudemos ajudar a comer uma ou outra. E já que estamos numa de fantasia, vamos fazer de conta, que eu parei depois de uma e outra, ah ah ah...




Bolachas de Santa Claus
adaptado do livro "Paixão pelo Chocolate" de Adriana Ortemberg

2 ovos
100g de manteiga amolecida
150g de farinha
150g de coco ralado
30g de cenoura ralada
25g de amêndoa moída
60g de açúcar amarelo
chocolate derretido q.b.

Aquecer o forno a 180ºC.
Forrar um tabuleiro de forno com papel vegetal e reservar.
Misturar a manteiga com o açúcar e amêndoa. 
Juntar os ovos, um a um.
Adicionar a cenoura e o coco.
Incorporar, pouco a pouco, a farinha peneirada.
Misturar, sem trabalhar muito a massa.
Formar uma bola, envolver em película aderente e colocar no frigorífico durante umas horas.
Numa mesa polvilhada com farinha, ou com a ajuda da película aderente, estender a massa com a espessura desejada, e cortá-la com moldes alusivos ao Natal.
Colocar as bolachas no tabuleiro e levar ao forno, durante 15 minutos ou até elas ficarem douradas.
Retirar do forno e deixar arrefecer sobre uma rede.
Derreter chocolate com um pouco de nata, leite ou manteiga.
Mergulhar as bolachas que quiser, por inteiro ou apenas metade, no chocolate derretido.




A textura destas bolachas fazem lembrar mais bolinhos em miniatura do que bolachas. A quantidade de açúcar é própria para pessoas não muito gulosas, pelo que se não fazem parte desta categoria, aumentem a quantidade para pelo menos 100g.

Aproveito esta receita para participar no desafio vamos Fazer Bolachas de Natal lançado pela grande fã de bolachas, a Manuela do blog Cravo e Canela, que nos desafia a fazer muitas e muitas bolachas todos os meses.

14.12.13

Bundt Marmóre de Abóbora e Chocolate para a Bundtmania

Desde a primeira edição da Bundtmania, que começou no blog da maior fã de bundts da blogosfera, As Aventuras de uma Mamã, que fiquei com imensa vontade de participar. De facto, fiz bundts tanto para a 1ª como para a 2ª edição, mas ambos não chegaram a ser sujeitos a sessão fotográfica, devido a razões que nem vale a pena explicar (digamos que a expressão "cabeça no ar" têm tudo a ver comigo!), pelo que acabei sem participar. 
Mas à terceira é de vez, não é o que se diz? Por isso e praticamente no final do prazo da 3ª edição (sim, sou uma maravilha em gestão de tempo ;)), aqui está um bundt que é uma delícia para o delicioso evento, a 3ª edição da Bundtmania!


Bundt Mármore de Abóbora e Chocolate
adaptado daqui

170g de manteiga à temperatura ambiente
1 e 1/2 chávena de açúcar amarelo
4 ovos à temperatura ambiente
1 colher de chá de extracto de baunilha
2 colheres de chá de canela
1 colher de café de gengibre em pó
1 colher de café de cravinho em pó
1 pitada de noz-moscada
2 colheres de chá de fermento em pó
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
3/4 chávena de leite à temperatura ambiente
2 e 1/2 chávena de farinha
115g de chocolate derretido
puré de 1 abóbora manteiga pequena/média (cortar a abóbora ao meio e assar no forno durante 20 minutos a 180ºC, no final retirar as pevides e a casca e triturar)

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Untar muito bem uma forma tipo bundt com manteiga e reservar.
Bater a manteiga com o açúcar durante uns 4 minutos até ficar um creme claro.
Acrescentar os ovos, um a um, e bater bem entre as adições.
Juntar a baunilha e as especiarias e bater até incorporar.
Misturar a farinha com o fermento e o bicarbonato.
Com a batedeira em velocidade baixa, acrescentar a mistura da farinha em 3 adições, alternando com o leite. Começar e terminar com a mistura da farinha.
Juntar o puré de abóbora e bater até incorporar.
Retirar uma chávena de massa de bolo para outra tigela e incorporar nela o chocolate derretido.
Colocar uma parte da massa clara no fundo da forma. Colocar porções da massa achocolatada e depois novamente massa clara, alternadamente até finalizar com ambas as massas.
Levar ao forno pré-aquecido durante aproximadamente 35 a 40 minutos ou até passar no teste do palito.
Retirar e deixar arrefecer completamente numa rede, antes de desenformar.
Cobrir com açúcar em pó ou com a cobertura de glace que se segue.

Glace de açúcar amarelo
2 colheres de sopa de manteiga
1/2 chávena de açúcar amarelo
1 colher de sopa de extracto de baunilha
1 chávena de açúcar em pó
1 ou 2 colheres de sopa de leite

Derreter a manteiga com o açúcar amarelo numa panela pequena. Retirar do calor e juntar o extracto. Deixar arrefecer alguns minutos. Juntar o açúcar em pó à mistura da manteiga e mexer bem. Juntar 1 ou 2 colheres de sopa de leite até ficar com a consistência desejada.  




Aqui por casa, nem sempre apreciamos as coberturas tipo glacés, portanto fiz uma quantidade muito pequena desta receita para experimentar. Fiquei agradavelmente surpreendida, pois gostei muito do sabor a lembrar o caramelo. Na próxima, vai a dose toda! 


10.12.13

Uma receita "Poupe com o Jamie"

Estamos oficialmente a 15 dias do Natal, e eu ainda não comprei nenhuma prenda, portanto estou oficialmente stressada com a questão das prendas de Natal! 

A pressão de ter um prazo para o fazer, aliado à minha indecisão relativamente a que prendas comprar, e a presente confusão que começa a imperar nas lojas, provoca-me uma imediata e irresistível vontade de dar meia volta e fugir para o sossego do lar, doce lar. 

Pelo menos há uma prenda que não me deixa com dúvidas, mas sim com expectativas, o livro que vou querer no meu sapatinho (eh, eh porque será que não acho difícil encontrar uma prenda para mim mesma :)). Estou a adorar as receitas do programa de televisão em que ele é baseado, o "Poupar com o Jamie", do Jamie Oliver.

Foi o caso desta receita que vi no primeiro episódio do programa, e que surgiu logo no meu pensamento num daqueles momentos de pura preguiça em sair do conforto do lar, e enfrentar o frio e a confusão que anda por aí fora.




Empadão de peixe com ervilhas
adaptada a partir das minhas notas ao ver o programa, mas podem ver a receita tradicional aqui

500g de batatas aos quadrados
200g de ervilhas congeladas
1 limão
1 colher de sopa de manteiga 
1 cenoura
1 cebola
250ml de leite
1 lombo de salmão selvagem congelado
2 medalhões de pescada congelados
30g de farinha
50g de espinafres congelados (usei 1 punhado de espinafres frescos)
6 delicias do mar (a receita original é com miolo de camarão)
1 colher de chá de mostarda inglesa
1 colher de sopa de azeite
queijo ralado q.b.
sal e pimenta q.b.

Bimby: 
Colocar as batatas no copo com 250g de água e sal: 20min + 100º + vel 1.
Entretanto, colocar as ervilhas num coador e colocá-las debaixo da torneira de água quente durante algum tempo.
Colocar o leite a aquecer numa panela, temperado com sal e pimenta. Assim que começar a ferver colocar o peixe, e deixar cozer lentamente, durante 10 a 15 minutos. Retirar o peixe, e lascá-lo. Reservar o leite.
No final do programa  da bimby, escoar as batatas usando o cesto.
Colocar no copo as ervilhas e triturar: 15 seg + vel 5. Baixar os resíduos e repetir caso não estejam bem trituradas.
Colocar a borboleta, e juntar às ervilhas no copo, as batatas, a manteiga e a raspa do limão: 30seg + vel 3,5.
Retirar o puré do copo e acabar de envolver bem com a espátula. Reservar.
Passar o copo por água, e colocar a cenoura e a cebola cortada aos pedaços: 5seg + vel 5.
Baixar os resíduos e adicionar o azeite: 5 min + 100ºC + vel 1.
Juntar a farinha, o leite e a mostarda: 5 min + 100ºC + vel 2. 
Se usar espinafres frescos, colocá-los pelo bocal a 2 minutos do final do programa. Caso use espinafres congelados e o miolo de camarão, programar mais 5 minutos, na mesma temperatura e velocidade.

Tradicional:
Cozer as batatas cortadas aos cubos numa panela com água temperada com sal.
Entretanto, colocar o leite a aquecer numa panela, temperado com sal e pimenta. Assim que começar a ferver colocar o peixe, e deixar cozer lentamente, durante 10 a 15 minutos. Retirar o peixe, e lascá-lo. Reservar o leite.
Quando as batatas estiverem cozidas, colocar as ervilhas congeladas numa vasilha e coar a água da cozedura das batatas por cima das mesmas para as descongelar.
Transformar em puré as batatas juntamente com a manteiga e a raspa de limão. Triturar as ervilhas numa picadora e envolve-las no puré de batata. Reservar.
Refogar a cebola picada e a cenoura ralada no azeite, durante uns minutos até a cebola ficar translúcida e a cenoura começar a ficar cozida.
Juntar a farinha, o leite e a mostarda, e deixar cozinhar até começar a engrossar, mexendo constantemente, em lume médio/brando.
Adicionar os espinafres e os camarões (caso use), e deixar apurar um pouco até os espinafres cozerem.

Deitar o preparado dos legumes no fundo de uma travessa de forno. Colocar o peixe por cima, assim como as delícias cortadas às rodelas. 
Verter o sumo de limão por cima, e polvilhar com o queijo ralado.
Colocar o puré de batatas e ervilhas por cima, e fazer sulcos com as costas de uma colher.
Levar a forno pré-aquecido a 180ºC durante 30 minutos ou até ficar dourado.



É um prato delicioso, o puré de ervilhas então, achei-o divinal e será repetido várias vezes como acompanhamento cá por casa. Um prato muito reconfortante, perfeito para estes dias gelados, e bastou o que tinha no congelador!

2.12.13

Bolo de chocolate mais simples não há

Desde que vi este bolo no blog Cozinha sem avental, que a Gula e a Preguiça que habitam em mim, se uniram numa prece para eu experimentar esta receita o quanto antes!

Esta receita é conhecida pelo Bolo da Depressão, pois remonta à época da Grande Depressão nos Estados Unidos, tempo em que as sobremesas eram consideradas um luxo e a palavra de ordem era economizar. A necessidade aguça o engenho, pelo que as gulosas desse tempo inventaram uma receita muito económica e prática, um bolo sem ovos, sem leite e sem manteiga. 

Mas, este bolo toca-me particularmente no meu lado preguiçoso, pois além de ser muito rápido, 5 minutos e temos um bolo no forno, tem um lado prático que eu achei o máximo, só é necessário uma forma, uma colher e uma chávena de medida....e na minha opinião, nunca são demais receitas, que nos façam ter tão pouca louça para lavar!




Para além destes atributos todos, posso dizer que o resultado é surpreendente bom, tão bom que acabei por fazer 2 bolos, praticamente seguidos! O primeiro bolo foi assaltado, antes de eu conseguir fazer a cobertura, entre o pequeno almoço e o almoço ele desapareceu. Já o segundo, e após ameaças no caso de alguém tentar comer bolo até eu conseguir fazer a cobertura e tirar fotos, lá chegou ao jantar para ser "devorado" apropriadamente como sobremesa.

Bolo de chocolate mais simples não há
adaptado daqui e daqui

1 e 1/2 chávena de farinha
1 chávena de açúcar amarelo
3 colheres de sopa de cacau
1 pitada de sal fino
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
5 colheres de sopa de óleo
1 colher de chá de extracto de baunilha
1 colher de chá de vinagre (usei branco)
1 chávena de água

Cobertura:
200g de chocolate 70% cacau
150 ml de água
2 colheres de chá de maizena

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Num tabuleiro de louça de 30x20 cm (não é necessário untar, não é o máximo?) colocar a farinha, o açúcar, o cacau, o bicarbonato e o sal. Mexer bem com uma colher até estar tudo bem incorporado.
Fazer 3 buracos na mistura, num buraco colocar o óleo, noutro colocar a baunilha e no terceiro colocar o vinagre.
Verter a água sobre a mistura, e envolver com uma colher, até ficar tudo bem incorporado e homogéneo.
Levar ao forno durante 20 a 25 minutos, até passar no teste do palito.
Retirar do forno e deixar esfriar completamente antes de colocar a cobertura.

Para a cobertura, misturar a água e a maizena muito bem até ficar sem grumos. Levar a mistura a lume brando, e quando começar a ferver, juntar o chocolate partido aos quadrados, e mexer até o chocolate ficar completamente derretido.
Retirar do lume, deixar arrefecer uns 2 minutos, sem parar de mexer a mistura. Verter o chocolate sobre o bolo já frio e levar ao frigorífico para solidificar, coberto com película aderente. Retirar do frigorífico uns 15 minutos antes de servir.




Eu não coloquei no frigorífico, pois estamos no Inverno e não achei necessário dadas as temperaturas que andam por aqui. 
E no meu espírito natalício que o início do mês trouxe, tentei fazer umas estrelas como decoração! 




Ok, não correu tão bem como esperava, preciso de uns coadores mais finos e arranjar jeito para a coisa! Para além disso, a cobertura de chocolate faz com que o açúcar derreta e passado algum tempo fica com um tom amarelado e não o branco que eu queria. 
Mas decorações à parte, o que interessa é que com ou sem cobertura, este bolo tornou-se um dos favoritos cá de casa!

26.11.13

Amêndoa, a que me obrigas!

Andei completamente viciada no programa Doce Diário da Rachel Allen que deu na 24 Kitchen à uns tempos atrás. Cada episódio que via, e só me apetecia ir para a cozinha fazer um bolinho. Posso dizer que adorei todos os episódios que consegui ver, isto porque as minhas habilidades em gravações não são o que eu pensava, e afinal não gravei a série, o que me deixou exasperada!

Eu estava decidida em experimentar primeiro o bolo mármore com crumble, mas uma embalagem de amêndoa laminada que andava na despensa, foi o suficiente para me trocar as ideias, pelo que saiu o bolo de amêndoa sueco. Ai, amêndoa, obrigas-me a fazer coisas deliciosas!




Bolo de amêndoa da Rachel Allen

3 ovos grandes
150g de açúcar (diminuí um pouco)
150g de farinha
1 e 1/2 colher de chá de fermento em pó
2 colheres de chá de extracto de baunilha
3 colheres de sopa de leite
75g de manteiga derretida

Cobertura:
50g de manteiga
100g de amêndoa laminada
50g de açúcar
1 colher de chá de extracto de baunilha
1 colher de sopa cheia de farinha
3 colheres de sopa de leite (na receita original seria nata, mas como não tinha, aumentei um pouco a qtd. de farinha para compensar a falta da nata)

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Untar e enfarinhar muito bem uma forma redonda de 23 cm. Reservar.
Com uma batedeira, bater o açúcar com os ovos durante 5 minutos, até ter dobrado de volume e ficar com uma consistência tipo mousse. Juntar a baunilha e misturar um pouco.
Peneirar a farinha com o fermento para cima da massa, adicionar o leite e a manteiga, e envolver tudo suavemente com uma espátula de silicone ou colher de pau, com movimentos de baixo para cima. 
Transferir a massa para a forma e levar ao forno durante 30 a 35 minutos, até que ao inserir um palito no centro, este com algumas migalhas presas, ou seja, não totalmente limpo e seco.
Pouco antes de chegar aos 30-35 minutos, preparar a cobertura.
Colocar a manteiga numa panela e deixar derreter. Acrescentar os restantes ingredientes, mexer bem e deixar ferver durante 1 minuto. 
Retirar o bolo do forno e espalhar a cobertura por cima. 
Aumentar a temperatura para os 200ºC e levar o bolo novamente ao forno, por mais 10 a 15 minutos, até a cobertura ficar dourada. 
Deixar o bolo arrefecer em cima de uma rede ou grade, antes de desenformar com cuidado.




Adorei este bolinho. Acho que vou adorar qualquer bolo que faça do programa Doce Diário, pois parece-me que as escolhas da Rachel Allen, estão em sintonia com a minha gulosice.

21.11.13

Massa rosa

Eu ando numa fase de experimentar imensos pratos com beterraba. Ultimamente tudo o que leva este ingrediente me atraí.
Ao pequeno almoço tenho-a juntado aos meus sumos, e nas refeições têm surgido em molhos, em almôndegas, em frittatas e em massas, como esta, que fiz num dia em que estava com pouquíssimo tempo para cozinhar.
A receita veio do site Not Guilty Pleasure, um site cheio de receitas vegan maravilhosas e com dicas fantásticas, e que são uma grande ajuda para quem, como eu, quer introduzir esse género de pratos nas suas refeições. Esta resultou em ser uma refeição rápida e deliciosa, que agradou a todos, especialmente a mim, pois tocou no meu lado feminino com a sua linda cor rosa.




Massa com Beterraba
adaptada daqui

2 dentes de alho, picados
1 fio de azeite
1 alho francês médio, cortado às meias luas
1 beterraba média, ralada
1 chávena de folhas de espinafres
1 tomate maduro, cortado aos cubos pequenos
1 colher de sopa de vinagre balsâmico
1/2 colher de chá de sementes de funcho, bem esmagadas num almofariz
sal e alho em pó q.b.
2 colheres de sopa de pinhões
massa a gosto, usei esparguete integral

Cozer a massa num tacho grande cheio de água e temperada com sal.
Tostar uns pinhões numa frigideira anti-aderente alguns minutos. Reservar.
Lavar e cortar todos os ingredientes como indicado.
Saltear o alho picado e o alho francês com o azeite, numa frigideira. 
Quando o alho francês amolecer, juntar a beterraba. 
Temperar com sal, e deixar cozinhar um pouco, e de seguida juntar o vinagre balsâmico.
Acrescentar o tomate e os espinafres e temperar com sal, alho em pó e as sementes de funcho.
Deixar cozinhar durante 1 a 2 minutos, para os espinafres amolecerem e os sabores apurarem.
Escorrer a massa cozida e adicioná-la à frigideira com os legumes. Envolver bem.
Juntar os pinhões e servir imediatamente.




O mais pequeno ficou deveras surpreendido por a mãe ter conseguido fazer uma massa cor-de-rosa, foi muito engraçada a reacção dele, uma mistura de fascínio e de desconfiança com o que estava no prato, mas depois de provar, comeu tudinho!


18.11.13

Os melhores muffins de abóbora...para mim

Há sensivelmente um ano atrás quando encontrei esta receita, no delicioso Caos na cozinha, e ao ver que a autora descrevia os muffins como arrebatadores, eu fiquei deveras curiosa em cozinhá-los. Assim que tive oportunidade para os fazer, percebi completamente o que ela queria dizer. Eles são fofos, mas ao mesmo tempo húmidos, doces na medida certa e com um toque de especiarias que deixa um perfume delicioso no ar e que nos enche de expectativas enquanto estão a cozinhar no forno. 

Na altura, fiz a versão adaptada que estava no Caos na cozinha, muffins com nozes e chocolate picado. Entretanto também experimentei a receita original, com nozes e passas douradas, como está no livro da Dorie Greenspan, Baking: Fom My Home to Yours. Ambas as versões são maravilhosas, não consigo decidir de qual das duas gosto mais, e isto vindo de uma pessoa que nem sequer apreciava muito passas em bolos! 

Estamos outra vez na época das abóboras, e felizmente tenho sido presenteada com algumas, pelo que um dia destes aproveitei o uso do forno para o almoço e resolvi assar uma pequenina abóbora manteiga, decidida a matar as saudades dos muffins de abóbora. Cortei a abóbora ao meio, salpiquei com sal e gotas de azeite, e foi ao forno com as sementes e tudo. No final, retirei as sementes e a casca e triturei em puré. 

Com o puré, mas sem formas de muffins aqui em casa, dado que estão todas em casa dos meus pais, resolvi o problema usando umas forminhas de papel que tinha na despensa. Todas bem encostadas, num tabuleiro, lá deram o jeito, e em vez de ficar com 12 muffins grandes, fiquei com cerca de 22 pequeninos, que me souberam pela vida, enquanto duraram! 


Muffins de abóbora
 retirada daqui e daqui

2 chávenas de farinha 
2 colheres de chá de fermento em pó
1/4 colher de chá de bicarbonato de sódio
1/4 colher de chá de sal fino 
3/4 colher de chá de canela
1/2 colher de chá de gengibre em pó
1 pitada de noz moscada moída na hora
115 g de manteiga sem sal, à temperatura ambiente
1/2 chávena de açúcar branco
1/4 chávena de açúcar amarelo 
2 ovos grandes, à temperatura ambiente
1/2 colher de chá de baunilha em pó ou extracto de baunilha
1 chávena de puré de abóbora
1/4 chávena de buttermilk (1/4 chávena de leite + 1 colher de chá de vinagre ou sumo de limão, deixar repousar alguns minutos antes de usar)
1/2 chávena de nozes picadas grosseiramente
1/2 chávena de passas douradas
sementes de abóbora q.b.


Pré- aquecer o forno a 180ºC. Se usar formas de muffins ou queques em metal, untá-las muito bem com manteiga, ou forrá-las com formas de papel. 

Bimby:
Colocar a farinha, o fermento, o bicarbonato de sódio, o sal e as especiarias no copo: 10 seg + vel 3. Retirar e reservar. 
Colocar a borboleta no copo e a manteiga: 1 min + vel 4.
Baixar a manteiga com a espátula e juntar os açúcares: 2 min + vel 4. A meio do programa, voltar a baixar os resíduos com a espátula.
Com a bimby na vel 4, adicionar pelo bocal, um ovo de cada vez, deixando meio minuto de intervalo, para eles se misturarem.
Com a bimby na vel 3, adicional pelo bocal, a baunilha, o puré e o buttermilk. Se a massa talhar, é normal. 
Retirar o acessório da borboleta e baixar os resíduos do copo, com a espátula.
Adicionar a mistura dos secos: 15 seg + vel 3.
Acabar de envolver a farinha com a espátula.
Juntar as nozes e as passas, e envolver na mistura.

Tradicional:
Misturar muito bem, a farinha, o fermento, o bicarbonato de sódio, o sal e as especiarias. Reservar.
Bater muito bem a manteiga, até ficar cremosa. 
Acrescentar os açúcares e bater até ficar um creme claro e homogéneo. 
Juntar um ovo de cada vez, batendo sem parar, até ficar incorporado.
Adicionar a baunilha.
Com a batedeira, em velocidade baixa, juntar o puré e o buttermilk. Se a massa talhar, é normal.
Acrescentar a mistura dos secos, e envolver suavemente, com uma espátula, um batedor de varas ou uma colher, até tudo estar misturado.
Juntar as nozes e as passas, envolvendo-os rapidamente, sem bater demais a massa.


Dividir a massa pelas formas e polvilhar os muffins com sementes de abóbora.
Levar ao forno pre-aquecido durante 15 a 20 minutos, até passarem no teste do palito.
Retirar do forno e deixar os muffins arrefecerem em cima de uma grade ou rede de cozinha.





Eu tencionava dividir a massa, e fazer metade com chocolate, mas inacreditavelmente não havia chocolate na despensa! Coisa mesmo rara, cá em casa..., mas assim, não houve indecisões na hora de comer!



12.11.13

Um aniversário de uma pessoa muito especial

Este mês de Novembro é especial para mim, é o mês de 2 aniversários muito importantes, o meu (o dia mais importante do ano, claro! hehe) e de uma pessoa muito especial na nossa família, a Tia Miquelina, ou apenas Tia, como nós a chamamos, distinguindo-a assim de todos os outros tios e tias.

Ela é a nossa segunda mãe, minha e dos meus irmãos, e também de primos que ficaram sob a sua guarda, enquanto os nossos pais trabalhavam. Sem dúvida, que aturou imensas tropelias, discussões e arrufos, e teve imensas preocupações com todos nós durante os anos em que crescemos.

Além de tudo o mais, ela também foi a minha companheira de quarto durante todos os anos em que vivi na casa dos meus pais. E como a vida, por vezes é cheia de coincidências peculiares, comemoramos os nossos aniversários, em dias seguidos. O dia de aniversário dela vem primeiro, e no dia seguinte vem o meu.

Este fim de semana foi marcado pela comemoração dos seus lindos 78 anos, para o qual fiz um bolo que me deu muito prazer. E embora pareça trabalhoso, acabei por o achar bastante simples de fazer. 
Contudo, é um bolo que requer que seja feito com algumas horas de antecedência ao momento de servir, uma vez que o creme têm de estar completamente frio para se montar o bolo, e este deve ser servido fresco.


 

Bolo folhado de frutos silvestres
adaptado da revista Mulher Moderna na cozinha Nº 18

1 placa de massa folhada fresca rectangular (usei uma do Lidl)
manteiga q.b.
doce de frutos silvestres q.b.
açúcar em pó q.b.

Creme:
2 colhas de gelatina
150g de açúcar
50g de farinha
3 gemas
5dl de leite
1 pau de canela
1 casquinha de limão

Bolo:
3 gemas
3 ovos
125g de açúcar
60g de farinha de trigo com fermento

Pré-aquecer o forno a 210ºC.
Colocar a massa folhada num tabuleiro de forno com o papel vegetal untado com manteiga.
Colocar outro tabuleiro, por cima, e levar ao forno por 15 minutos.
Retirar o tabuleiro de cima e levar ao forno, de novo, por mais 5 minutos. Retirar e deixar arrefecer.

Para o creme:
Demolhar as folhas de gelatina em água fria.
Num tacho, colocar o açúcar, a farinha, as gemas, o leite e misturar uns segundos com a varinha mágica.
Adicionar o pau de canela e a casca de limão.
Levar a lume brando, mexendo sempre, até engrossar.
Retirar o tacho do lume, e eliminar a casca de limão e o pau de canela.
Adicionar as folhas de gelatina escorrida e mexer bem até dissolver.
Colocar película aderente a tocar a superfície de todo o creme, deixar arrefecer completamente.
Quando morno, pode colocar no frigorífico para ajudar a arrefecer.

Para o bolo:
Pré-aquecer o forno a 200ºC.
Forrar um tabuleiro com papel vegetal, untado com manteiga.
Bater as gemas, os ovos e o açúcar durante 5 minutos, até dobrar de volume.
Juntar a farinha peneirada, e envolver suavemente até incorporar.
Verter a massa para o tabuleiro e levar ao forno durante 10 minutos.
Retirar e deixar arrefecer.

Montagem:
Com uma faca, cortar a massa folhada ao meio.
Cortar o bolo também ao meio, e aparar de modo a ficar do mesmo tamanho da massa folhada.
Rechear uma das partes do bolo com o doce de frutos silvestres e tapar com a outra metade do bolo.
Mexer o creme e colocar num saco pasteleiro com boquilha lisa (eu usei um saco plástico, e cortei a ponta).
Cobrir uma das partes da massa folhada com metade do creme.
Sobrepor o bolo recheado com o doce.
Cobrir com o restante creme e colar a outra parte da massa folhada.
Polvilhar com açúcar em pó e decorar a gosto.




O bolo é delicioso, com as suas diferentes texturas. Para quem não gosta de bolos demasiado doces,  como é o meu caso, aconselho a diminuir a quantidade de açúcar no creme, pois acho que ficará mais equilibrado. Quanto ao doce no recheio, podem usar outros a gosto. Na receita original, o doce utilizado é de framboesa.





7.11.13

Uns rolinhos saborosos

De todas as tarefas domésticas a única que me dá prazer é, sem qualquer dúvida e suponho sem grandes surpresas, cozinhar. Neste momento, tenho uma pilha de roupa para passar a ferro a olhar para mim, e estou a fazer gazeta no blog pois é tarefa que não me atraí minimamente.
Para tornar menos penosa essa tarefa, costumo montar a tábua em frente da televisão e sentada (as minhas costas agradecem!), ponho-me a ver gravações de programas que não tive tempo de assistir enquanto trato de fazer rolar o ferro e colocar a roupa em ordem! Como tal, é indispensável que a televisão esteja livre para ser monopolizada por mim, e sem interferências do resto do pessoal da casa! O que não acontece neste momento, portanto aproveitemos para publicar a receita de peixe que prometi, na qual podem usar o pesto que eu fiz aqui
Se não quiserem fazer o pesto que sugeri, podem sempre usar um de compra, seja qual for o pesto que usar vai dar um toque diferente e muito saboroso ao peixe.



Rolinhos de peixe e pesto

1 cebola
2 dentes de alho
1/2 pimento vermelho
1 tomate pequeno
2 colheres de sopa de bacon aos cubos
4 filetes de peixe branco (usei peixe-espada, mas podem usar pescada, maruca, solha...)
pesto q b.
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.
sumo de 1/2 limão
flocos de aveia e sementes de sésamo para polvilhar
Puré de batata para acompanhar

Ligar o forno a 180ºC. 
Temperar os filetes com sal e pimenta, regar com sumo de limão.

Bimby: 
Colocar a cebola, os alhos, o pimento, o tomate no copo: 7 seg + vel 5.
Juntar azeite e o bacon aos cubos: 5 min + 100ºC + vel 1.

Tradicional: 
Levar a saltear em azeite, a cebola e os alhos picados, o pimento e o tomate cortado aos pedacinhos, e os cubos de bacon, durante uns minutos.

Cobrir o fundo de um tabuleiro de forno com a mistura da cebola.
Espalhar pesto ao longo de cada filete.
Enrolar os filetes e dispô.los no tabuleiro com a dobra para baixo, de modo a que não se solte. Se o filete for pequeno, pode usar um palito para o manter enrolado.
Espalhar mais um pouco de pesto no topo de cada filete, e polvilhar flocos de aveia e sementes de sésamo por cima dos mesmos.
Levar ao forno durante 15 a 20 minutos.
Servir acompanhado por puré de batata.










Ao contrário deste pratinho de peixe, a minha pilha de roupa para passar não vai desaparecer com prazer! Parece-me que vou ter de convencer um miúdo a trocar a televisão pelo computador, para me convencer a mim mesma, a começar a pouco apreciada tarefa doméstica!

4.11.13

Rápido, simples e delicioso

Há dias em que o tempo voa, e que lamentamos não ter o dobro das horas, para fazermos tudo o que gostaríamos, e há dias em que a vontade de passar muito tempo na cozinha é limitada. Nesses dias, as minhas escolhas de receitas, têm como prioridade, a rapidez e a simplicidade.

Este bolo além de reunir esses 2 aspectos, acabou por me surpreender pelo resultado, ele é simplesmente delicioso! Tornou-se num dos meus bolos de café preferidos, e será, certamente, repetido várias vezes cá por casa.



Bolo rápido de café
adaptado do livro "Bolos, Receitas Simples&Rápidas"

3 ovos
200g de açúcar amarelo
50g de manteiga derretida
2 dl de leite
1 colher de sopa cheia de tofina ou café solúvel
1 colher de chá de essência de baunilha
300g de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
50g de miolo de noz, partido grosseiramente
manteiga e farinha q.b.

Cobertura:
1 tira de chocolate branco
1 tira de chocolate preto 70%
leite q.b.

Ligar o forno a 180ºC. 
Untar uma forma rectangular( tipo bolo inglês) com manteiga, e polvilhar com farinha. Reservar.

Bimby:
Colocar no copo os ovos, o açúcar, a manteiga, o leite, a tofina ou café e a essência de baunilha: 1,30 min + vel 6.
Misturar a farinha com o fermento, e adicionar à mistura no copo: 30seg + vel 4.
Juntar as nozes: 20 seg + vel 2.

Tradicional:
Com a batedeira ou no liquidificador, bater os ovos, o açúcar, a manteiga, o leite, a tofina ou café e a essência de baunilha.
Numa taça misturar a farinha com o fermento, e juntar ao preparado anterior.
Adicionar as nozes e envolver.

Verter na forma preparada e levar ao forno durante 30 minutos, ou até passar no teste do palito.
Deixar arrefecer, antes de desenformar.

Derreter cada tira de chocolate no microondas, com um pouco de leite, durante uns segundos.
Verter em fio por cima do bolo, os chocolates derretidos.




Se quiser omitir a cobertura de chocolate, pode servir o bolo polvilhado com açúcar em pó, e decorado com grãos de café, por exemplo. Mas para mim, a cobertura dos 2 chocolates juntamente com o sabor de café do bolo, é que o torna irresistível. 



31.10.13

Um pesto e uma receita

Este blog anda muito doce nos últimos tempos! Dá a sensação que só faço e experimento bolos e coisinhas doces, o que está longe de ser verdade, embora perto dos meus sonhos nada secretos! Portanto, hoje é dia de uma refeição que eu gosto muito e que usa um ingrediente que adoro e que já experimentei com diferentes variações, Pesto! 

A maluquinha por frutos secos, teria que adorar pesto, não é verdade?! 

Já experimentei o pesto tradicional de manjericão e pinhões, de espinafres com amêndoas, de pimento vermelho com sementes de abóbora e o que trago hoje, de couve e amendoins. Adorei todos, sem excepção! Uma simples massa cozida com uma colher de pesto, transforma-se num prato bem especial e que fica na memória.

Este pesto além de simples, usa ingredientes mais económicos e fáceis de arranjar em qualquer altura do ano, e se assim o quiserem, podem sempre trocar o amendoim por outro fruto seco que vos agrade mais, como nozes, amêndoas, cajus. Esta versão veio do fabuloso blog no soup for you, cuja autora gosta tanto de pestos como eu, e também marca presença no seu excelente livro Velocidade Colher, na variedade couve e nozes.


Pesto de Couve e amendoins
adaptado daqui

50g de queijo parmesão
40g de amendoins
100g de couve cozida
2 dentes de alho
80g de azeite
sal e pimenta q.b.

Bimby:
Pesar o azeite na bimby e reservar.
Colocar o queijo no copo, pulsar 3 vezes o turbo e depois 10seg + vel 9.
Adicionar os amendois, a couve, os dentes de alho e os temperos: 5seg + vel 9. 
Baixar os resíduos com a espátula e repetir até obter uma pasta homogénea.
Ligar a vel 5 e com o copinho colocado, ir deitando o azeite em fio na tampa.
Rectificar os temperos, se necessário.
Conservar num frasco fechado no frigorífico. 
Sempre que usar, regar com um pouco de azeite, para conservar melhor.

Tradicional:
Triturar o queijo numa picadora ou com um ralador.
Juntar os amendoins, a couve, os dentes de alho e os temperos, e triturar tudo numa picadora ou com a varinha mágica até ficar tudo homogéneo.
Adicionar o azeite e triturar mais um pouco.
Rectificar os temperos, se necessário.
Conservar num frasco fechado no frigorífico. 
Sempre que usar, regar com um pouco de azeite, para conservar melhor.


Este pesto fica especialmente bem em peixes (um dos próximos posts, será este pesto numa receita de peixe) e em pratos vegetarianos como a receita de hoje. A primeira vez que fiz este pesto foi para fazer esta receita, uns embrulhos de couve com soja e couscous. Quando provei o recheio, tive que me concentrar em parar de comer ou acabava sem recheio para fazer os embrulhos, mas a partir de então, simplifiquei e com algumas alterações o recheio, tornou-se o prato principal, Soja com Couscous Perle.



Soja com Couscous Perle
adaptado daqui


1 cebola

2 dentes de alho
1 cenoura
azeite
100g de couve
1 caldo de legumes
2/3 chávena de soja granulada 
1/2 chávena de couscous perle
50 ml de vinho tinto (um bom vinho é muito importante para ter um bom sabor!)
1 colher de sopa de pesto de couve
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
sal e pimenta

Lavar as folhas de couve, cortar os talos mais grossos e deixá-la em água a ferver durante uns minutos.
Hidratar a soja em água a ferver temperada com o caldo de legumes.
Cozer os couscous perle de acordo com as instruções da embalagem, ou seja, cozer durante uns 7 minutos em água a ferver temperada com sal.

Bimby:
Colocar a cebola, os alhos, a cenoura e os 100g de couve no copo: 5seg +vel 5.
Juntar o azeite: 5 min + 100ºC + vel 1.
Acrescentar a soja escorrida e espremida, o vinho, o pesto e temperar com sal e pimenta: 8 min + 100ºC + colher inversa, sem o copinho na tampa.
Escorra o couscous perle, e deite-o no copo, juntamente com o queijo: 2 min + 100ºC + colher inversa.
Retirar e servir.

Tradicional:
Refogar em azeite, a cebola, os alhos, a cenoura picada, juntamente com 100g de couve migada grosseiramente, durante uns minutos.
Acrescentar a soja escorrida e espremida, o vinho, o pesto e temperar com sal e pimenta.
Cozinhar durante 10 minutos em lume médio, mexendo de vez em quando, até o líquido evaporar.
Adicionar o couscous perle escorrido e o queijo e deixe cozinhar mais uns 2 minutos, envolvendo tudo muito bem com uma colher.
Retirar e servir.



E mesmo no final do mês, consigo com esta receita participar no desafio "A Escolha do Ingrediente", criado pelo blog Tertúlia da Susy, cujo anfitrião é em Outubro o blog Limited Edition, com o ingrediente, a soja.

23.10.13

A receita certa para apreciar kiwis

O kiwi, quivi ou quiuí (não sabia que havia tantas maneiras de designar este fruto até hoje, graças à wikipédia!), é um fruto que não me atraí muito ou mesmo nada! Se ele estiver misturado numa salada de frutas, aí sim, acho-o moderadamente agradável, agora sozinho, como peça de fruta, simplesmente não o consigo comer! 

Ora sendo eu uma gulosa incorrigível, achei que em bolos eu iria adorar a adição do kiwi, e que seria, como se costuma dizer, o início de uma bela amizade. No dia em que fiz o meu primeiro bolo com kiwis, baseada numa receita do livro "Leopoldina e a aventura do sabor", não consegui comer nem sequer uma fatia inteira, já a minha mãe adorou-o, e praticamente comeu-o todo sozinha, pelo que cheguei a uma conclusão, a minha inexistente amizade com o kiwi, ia continuar inexistente. Não ia desperdiçar o meu tempo com mais nenhuma experiência culinária que o envolvesse!

A minha resolução foi por água abaixo, no momento em que a minha mãe ficou com kiwis para dar e vender, o que levou à insistência que eu tinha de utilizar alguns numa sobremesa. Cedi, e lá fui pesquisar na internet a nova hipótese que ia dar ao kiwi. Assim que encontrei este bolo, no delicioso lume brando, fiquei decidida, e ainda bem que assim foi. Adorei este bolo, melhor, adoramos todos, e notou-se na rapidez em que ele desapareceu. 



Bolo upside-down de kiwi com pepitas de chocolate
do site lume brando

170g de açúcar amarelo 
90g de manteiga amolecida
3 ovos
sumo de 2 tangerinas pequenas
180g de farinha com fermento
80g de pepitas de chocolate 
kiwis q.b.
2 colheres de açúcar amarelo para polvilhar

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Untar uma forma redonda de 22 ou 23 cm de diâmetro. Forrar o fundo com papel vegetal, e untá-lo também.
Descascar e fatiar kiwis suficientes para preencher o fundo da forma com eles.
Preencher os espaços entre as rodelas com pequenos pedaços de kiwi, de modo que o fundo fique totalmente preenchido.
Polvilhar os kiwis com as 2 colheres de açúcar amarelo.
Numa taça, bater o açúcar com a manteiga.
Adicionar o sumo das tangerinas e bater mais um pouco.
Juntar os ovos, um a um.
Envolver a farinha, suavemente.
Adicionar as pepitas e envolver até ficar homogéneo.
Verter a massa para a forma preparada e levar ao forno cerca de 40 a 45 minutos ou até ao espetar um palito no centro do bolo, este sair seco.
Deixar arrefecer uns 10 minutos, antes de desenformar com cuidado.
Retirar o papel vegetal.



Agora sim, pode-se dizer que eu e os kiwis, já somos amigos!

16.10.13

Canela, please!

Juro que não compreendo quando alguém diz que não gosta de canela, como não gostar!?! Só o cheiro maravilhoso, já me conquista, quanto ao seu sabor, oohh! tudo fica melhor quando se junta esta especiaria deliciosa! 
Por acaso ou karma, não sei bem o que andei a fazer noutras vidas, o meu filho mais velho é uma dessas pessoas que dizem, canela, blerrgh! Acho que definitivamente houve alguma alteração nos genes dele para ele ter esse defeitozinho, porque tirando essa pequena falha, realmente tenho muita sorte em ter um filho como ele, maravilhoso, fantástico e todos os adjectivos positivos que existem no dicionário! OK, pelos vistos, não consigo criticar um filho, sem logo a seguir estar a dizer maravilhas dele! Filhote, a mamã adora-te!
Voltemos à canela, como podem depreender deste discurso todo, eu ADORO CANELA! Portanto, não é de estranhar, que sempre que vejo um livro de receitas, principalmente de bolos, os que têm canela, me ponham a salivar, pois não? Foi, o que aconteceu com este bolo, e a culpa foi da cobertura deliciosamente polvilhada pela maravilhosa canela, credo...até andei a sonhar com ele, o que só foi mau, no instante em que acordei e percebi que não tinha uma fatia à minha espera para o pequeno almoço! Não, não fui logo a correr fazê-lo...esperei pelo fim de semana, porque com um bolo assim para o grande, é melhor dividir o mal pelas aldeias, e não ficar só para mim, para mim, para mim e para o meu querido marido! 



Bolo de canela com creme de ovos
adaptado do livro "Bolos - Receitas Simples&Rápidas"

100g de manteiga
400g de açúcar mascavado (diminuí para 280g)
raspa de 1/2 limão
1 e 1/2 colher de chá de canela em pó
400g de farinha
2 colheres de chá de fermento em pó
4 dl de leite
4 claras

Creme de Ovos
3,5 dl de leite
100g de açúcar em pó
1 colher de sobremesa de maisena
4 gemas
2 paus de canela

Untar e forrar com papel vegetal, também untado, uma forma redonda de 25 cm.
Ligar o forno a 180ºC.
Envolver a farinha com o fermento, e reservar.
Bater a manteiga com o açúca, pelo menos 4 minutos.
Juntar a raspa e a canela, e bater até misturar.
Acrescentar, alternadamente, a mistura da farinha e o leite, começando e acabando com a mistura da farinha.
Bater as claras em castelo e envolvê-las suavemente na massa.
Verter a mistura para a forma e cozer, a meio do forno, durante 1 hora e 15 minutos, ou até que ao espetar um palito, este sai seco.
Retirar, deixar arrefecer pelo menos 10 minutos, antes de desenformar.
Colocar o bolo desenformado no prato de servir, cobrir com o creme de ovos e polvilhar com canela.

Para o Creme de Ovos:
Num recipiente apropriado para cozinhar em banho-maria*, bater os primeiros 4 ingredientes e juntar os paus de canela.
Levar ao lume, em banho-maria, sem deixar de mexer com uma colher, até a mistura engrossar.
Retirar e mergulhar o recipiente em água fria, para arrefecer.
Retirar os paus de canela e usar.

*Banho-maria: Consiste em colocar a mistura num recipiente (pode ser uma tigela em vidro ou inox, ou uma panela pequena), que depois é colocado sobre uma panela ou frigideira funda com água fervente, onde será cozinhada em lume baixo.


O bolo fica grande e fofinho e o creme é delicioso, transforma um bolo simples, num bolo especial! E note-se que não foi necessário uma porção pecaminosa de ovos, isto de usar as claras na massa, e as gemas no creme, é mesmo perfeito! 
E com esta fatia, lá concretizei o meu sonho nocturno...ainda bem que pelo menos, este tipo de sonhos, é fácil de realizar!



9.10.13

Merendeira de maçã e canela

As maçãs figuram entre as minhas frutas preferidas. E para minha felicidade, nas últimas visitas à aldeia ao fim de semana, temos vindo carregados delas, graças à generosidade de pais e tios.
Como no resto do ano, tenho que comprá-la, e diga-se que a maçã biológica não é propriamente barata, ando a aproveitar esta abundância para usá-la em diversas receitas novas, como esta merendeira que me piscou o olho desde que a vi na revista do Pingo Doce à uns meses.
Fiz-la à noite, para servir ao pequeno-almoço no dia seguinte. Claro que eu e o meu marido, os suspeitos do costume, não resistimos a comer um bocado, mal saiu do forno. Ao contrário de outros pães, este soube-me melhor frio, no dia seguinte, por isso é uma boa opção para levar por exemplo, a um picnic. Fica muito fofinho e mantém-se assim pelo menos, por 2 dias, que foi o quanto ele durou por aqui.



Merendeira de maçã e canela
adaptado da revista Sabe Bem Nº 13

2,5 dl de leite 
3 colheres de sopa de açúcar (45g) 
1 colher de chá de sal
400g de farinha de trigo 
1 cubo de fermento de padeiro fresco (25g)
1 colher de sopa de canela em pó
1 colher de sobremesa de sementes de erva-doce (não usei)

Recheio:
maçãs q.b. (usei 6 pequenas)
1,5 colher de sopa de açúcar mascavado (20g)
1 colher de sopa de canela em pó
50g de marmelada (não usei)

Polvilhar:
1 colher de sopa de sementes de linhaça
1 colher de sopa de açúcar em pó (não usei)

Bimby:
Colocar o leite, o açúcar e o sal no copo: 1,30min + 37ºC + vel 1.
Adicionar metade da farinha, misturada com a canela e as sementes de erva-doce ao copo. Na restante farinha, desfazer com as pontas dos dedos o cubo de fermento, e adicionar tudo ao copo: 10 seg + vel 6.
Em seguida, amassar: 2 min + vel espiga. 
Retirar a massa para um recipiente untado com azeite, tapar com película aderente e um pano, e deixar levedar por 1 hora, num local quente, como por exemplo, dentro do micro-ondas.

Máquina do pão:
Colocar os 3 primeiros ingredientes pela ordem indica. Adicionar metade da farinha, misturada com a canela e as sementes de erva-doce ao copo. Na restante farinha, desfazer com as pontas dos dedos o cubo de fermento. Fazer o programa que amassa e leveda.

Á mão:
Dissolva o fermento de padeiro com o açúcar no leite morno. 
Juntar a farinha, as sementes de erva-doce, a canela e o sal e fazer um buraco ao meio. 
Adicionar o fermento dissolvido à mistura da farinha e amassar até conseguir formar uma bola. Pode usar, uma batedeira com os ganchos de massa para amassar.
Colocar a massa num recipiente untado com azeite, tapar com película aderente e um pano, e deixar levedar por 1 hora, num local quente, como por exemplo, dentro do micro-ondas.

Descascar as maçãs, retirar os caroços e cortá-as aos pedaços pequenos ou fatias finas. Juntar o açúcar mascavado e a canela e polvilhar as maçãs com essa mistura. 

Estender a massa levedada sobre uma bancada, e com a ajuda de um rolo, esticar até obter um rectângulo. Colocar o rectângulo, num tabuleiro de forno forrado com papel vegetal.

Distribuir as maçãs, e a marmelada aos pedaços, pelo centro do rectângulo, virar um dos lados livres da massa sobre metade do recheio, cobrir com o outro lado da massa, como se fosse um envelope. Pincelar a superfície da massa com um pouco de leite (eu pincelei com o líquido que sobrou de macerar as maçãs em açúcar e canela), polvilhar com as sementes de linhaça e, caso queira, com o açúcar em pó. 
Abrir pequenos orifícios na superfície da massa, no sentido do comprimento, como se fosse uma linha tracejada, com a ponta de uma faca, e levar a forno pré-aquecido a 180ºC cerca de 30 minutos.




Bem, parece-me que vou ali comer uma maçã...esta imagem fez-me fome!