23.12.14

Uma "vela" para um doce Natal

E já estamos na semana do Natal! Adoro esta época, a mesa cheia de gente, o entusiasmo dos pequenos com a chegada do Pai Natal, e claro todos os pratos típicos desde o bacalhau acompanhado das batatas e couves a nadar em azeite quente até à mesa cheia de doces maravilhosos. 

Para uma fã de canela, nada bate os doces de Natal, com a canela por todo lado, sendo que até o nosso leite-creme é queimado com ela. Ai, que cheiro delicioso perfuma a cozinha nesta altura, gostava de poder engarrafar este cheiro para apreciar noutras alturas do ano.

A sugestão de hoje além de deliciosa permite criar um centro diferente para a vossa mesa de Natal ou para uma festa em qualquer altura do ano. Se tiverem mais jeito do que eu para as manualidades, podem recorrer a flores e a velas para criarem algo bem original. Eu optei por uns apontamentos de azevinho, e fiquei-me por aí, pois simples e rápido é o meu lema.




Velas de Café e Amêndoa
adaptado do livro "Pequenos Bolos"

6 ovos
50g de amêndoas moídas
20g de coco ralado
80g de farinha
3 colheres de chá de café em pó (instantâneo)
1 colher de chá de cacau em pó
2 colheres de sopa de leite
5 colheres de sopa cheias de doce de Alperce 
2 colheres de sopa cheias de geleia de marmelo
80g de chocolate
1 colher de chá de manteiga
leite morno ou café morno q.b.
Amêndoas inteiras sem pele para decorar

Pré-aquecer o forno a 200ºC. 
Forrar uma forma rectangular grande com papel vegetal e reservar. Usei uma de 40x26.

------------------------------------

Bimby:
Colocar a borboleta, os ovos e o açúcar no copo: 6 min + 37ºC + vel 3.
Adicionar as amêndoas moídas, o coco ralado e a farinha: 15 seg + vel 3.
Juntar o café instantâneo, o cacau em pó e o leite: 10 seg + vel 3.
Acabar de envolver com a espátula suavemente e espalhar a massa na forma reservada.




Tradicional:
Bater os ovos com o açúcar até a massa dobrar de volume e ficar amarelo claro.
Adicionar as amêndoas moídas, o coco ralado e a farinha peneirada.
Acrescentar depois o café instantâneo, o cacau em pó e o leite.
Espalhar a massa na forma reservada.
---------------------------------

Levar ao forno durante 12 minutos ou até passar no teste do palito.
Polvilhar um pano de cozinha com uma fina camada de açúcar e desenformar sobre o pano. 
Humedecer o papel vegetal com água fria e remover com cuidado.
Entretanto, misturar o doce e a geleia e levar ao micro-ondas um minuto, parando de 15 segundos em 15 segundos e mexendo para a mistura ficar homogénea.
Espalhar de imediato sobre a massa.
Cortar ao meio de modo a obter dois rectângulos.
Enrolar ambos a partir de um dos lados mais compridos.
Embrulhar em folha de alumínio e colocar no frigorífico, pelo menos 1 hora. Eu deixei de um dia para o outro e não se preocupem caso a massa parte ou rache ela fica colada depois de ir ao frio.
Cortar cada rolo em 2 partes iguais ou 4 caso queiram velas mais pequenas.
Levar o chocolate e a manteiga ao micro-ondas para derreter, parando de 15 em 15 segundos para mexer bem com uma colher. 
Adicionar leite ou café morno para que o chocolate fique num ponto não muito líquido, mas que seja possível ele deslizar ligeiramente ao mergulhar os rolos.
Mergulhar cada ponta de cada rolo na cobertura e deixar solidificar, sobre uma rede.
Inserir 1 amêndoa pelada no topo de cada "vela".
Guardar no frigorífico se for feito com muita antecedência.








14.12.14

E a minha cozinha cheira maravilhosamente...

E no último dia, na última hora para o fecho da 14ª edição da Bundtmania e com vontade de partir de vez o meu computador, eis o meu bundt com fruta outonal e especiarias. A fruta escolhida só podia ser a maçã, a minha fruta preferida, mais do que os maravilhosos frutos vermelhos e até mais do que chocolate, os bolos e as tartes com este fruto são os únicos capazes de me prender os olhos em qualquer montra de pastelaria.




Bundt de Maça e Especiarias

2 chávenas de farinha com fermento
1 chávena de amêndoa moída
1 colher de mistura de especiarias*
1 pitada de sal
1 colher de café de baunilha em pó ou essência de baunilha
1 chávena de açúcar amarelo
70 ml de geleia de arroz
1/2 chávena de óleo
2 iogurtes gregos açucarados
3 ovos
3 maçãs, cortadas aos quadradinhos
3/4 chávena de nozes, partidas grosseiramente

Molho:
1 colher de sopa cheia de geleia de arroz
1 pitada de mistura de especiarias*
1 pitada de canela
1 colher de sopa de leite
1 colher de sopa de água

*ver receita aqui

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Untar muito bem e enfarinhar uma forma de bundt grande. Reservar.
Misturar a farinha, a amêndoa, as especiarias, o sal, a baunilha em pó. Reservar.
Noutra tigela bater bem o óleo, o açúcar, a geleia e um dos iogurtes até estar homogéneo. Caso use essência de baunilha em vez de baunilha em pó, adicionar aqui.
Adicionar os ovos, um a um, batendo bem entre as adições.
Batendo sempre, juntar 1/3 da mistura da farinha e em seguida, metade do outro iogurte.
Adicionar outro 1/3 da mistura da farinha, o restante iogurte e depois finalizar com o ultimo terço da farinha.
Bater apenas até ficar tudo incorporado.
Juntar as nozes e as maçãs, e envolver suavemente.
Verter a mistura para a forma reservada e levar ao forno durante 35 a 40 minutos até o palito sair seco.
Deixar arrefecer dentro da forma, em cima de uma rede, pelo menos uns 20 minutos antes de desenformar.
Entretanto preparar a calda  juntando todos os ingredientes e levar ao micro-ondas uns 15 segundos até a mistura ficar mais líquida.
Depois do bolo desenformado, pode optar por pincelar o bolo com a calda e servir à parte numa molheira o excedente para cada pessoa que queira acrescentar mais, ou verter a calda pelos sulcos do bolo.




O cheiro que enche a cozinha enquanto este bolo está no forno é divinal! O sabor com a calda é de bradar aos céus para quem adora especiarias, como eu! Fiquei com séries dificuldades em não comer metade do bolo, mas tenho que me controlar, este mês é muito complicado para uma gulosa como eu!

12.12.14

Inspiração australiana

Um dos poucos programas de televisão que tenho visto com alguma regularidade, na boa companhia dos meus filhos, é o Masterchefe Austrália. Já são várias as edições que temos acompanhado, e esta mais uma vez, está a cativar-nos com a mesma intensidade de sempre. 

Se até agora, o meu filhote mais velho achava que o papel mais interessante seria o de provador "oficial" (tenho que realçar a ironia da ideia, tendo em conta o esquisitinho que ele é para experimentar algo diferente e novo!!), desta vez a curiosidade dele mudou de rumo e qual é o meu espanto quando um dia destes, ele vira-se para mim e diz-me que gostava de aprender a cozinhar!! Como há que aproveitar enquanto eles estão no caminho certo, logo ficou acordado umas lições no período de férias de Natal...só espero que esta disposição dure...mais do que o tempo para aprender a cozinhar um ovo ;) 

Acho que um prato principal e uma sobremesa seria o ideal. Assim sempre o podia enfiar na cozinha e explorá-lo num daqueles momentos em que me desse vontade de ter uma "pausa". E dado que o miúdo adora salmão, o melhor é começar por aí, não acham?



Salmão com crosta de caju e coentros 

4 filetes de salmão 
3 colheres de sopa de caju
3 colheres de sopa de coentros
1 dente de alho
1/2 colher de café de sementes de mostarda
1 colher de azeite
sumo de 1/2 limão
1 colher de sopa de molho de soja
1 dente de alho picado
pimenta q.b.

Temperar o salmão com o sumo de limão, a pimenta, o molho de soja e o alho picado. 
Deixar marinar pelo menos 15 minutos.
Colocar o caju, os coentros, o alho, as sementes de mostarda e o azeite numa picadora e triturar até ficar uma pasta. Na bimby dar 3 pulsos de turbo, baixar os resíduos e 3 seg + vel 5.
Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Forrar um tabuleiro de forno com papel vegetal e colocar os filetes nele. 
Espalhar a pasta por cima dos filetes e levar ao forno durante 15 a 20 minutos.

Acompanhar com arroz, de preferência integral, e legumes salteados.



Podem usar os legumes que mais gostarem, neste caso fiz do seguinte modo:

Legumes Salteados

1/2 cebola roxa, cortada às meias-luas
1 dente de alho, laminado
1 cenoura pequena, cortada às tirinhas
1 chávena de cabeças pequenas de bróculos e folhas dos mesmos, cortada às tiras
100g de cogumelos portobellos pequenos, laminados
1 colher de sopa de molho de soja
1 colher de sopa de azeite ou óleo de sésamo

Levar ao lume uma frigideira com o azeite, a cebola e o alho.
Assim que a cebola começar a amolecer, juntar a cenoura.
Passado 1 minuto, adicionar os cogumelos.
Assim que tiverem perdido alguma água, juntar os bróculos e as folhas.
Temperar com o molho de soja e tapar uns 4 minutos para gerar algum vapor, de modo a cozer os bróculos. 
Servir de imediato.




E porque se deve incutir nos filhos o prazer de mimar os pais, acho que fazer uma sobremesa é um bom carinho e o remate perfeito para uma boa refeição. E não importa nada que ele não aprecie doces, mais sobra para quem lhes dá valor ;) 
E esta receita, por coincidência, até vem da Austrália!

Quadrados de Coco
receita da "The Australian Women's Weekly" 100 Classic Cakes

90g de manteiga amolecida
100g de açúcar amarelo
1 ovo
135g de farinha com fermento
1 colher de sopa de farinha Custard (usei amido de milho)
doce de framboesa ou frutos do bosque q.b.

Cobertura:
160g de coco ralado
50g de açúcar
2 ovos, ligeiramente batidos

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Untar uma forma rectangular de 20x30cm e forrá-la com papel vegetal, deixando uma margem extra de 5 cm em ambos os lados, para ajudar o processo de desenformar. Reservar.
Bater a manteiga, o açúcar e o ovo até ficar uma mistura clara e fofa.
Adicionar a farinha e o amido de milho peneirados e envolver tudo.
Espalhar esta massa uniformemente pela forma reservada.
Cobrir a massa com o doce.
Para a cobertura, misturar todos os ingredientes da mesma.
Cobrir o doce com a cobertura de coco.
Levar ao forno durante 35 a 40 minutos, até a cobertura ficar dourada e passar o teste do palito.
Retirar e deixar arrefecer dentro da forma, antes de cortar em quadrados.




Nisto tudo, espero ter a serenidade necessária e não me passar com a ideia de que ele ainda vai cortar um dedo, no momento em que lhe passar uma faca afiada para a mão!! Aaaiii!!
E agora, que o momento de histeria de mãe galinha já passou....um doce fim de semana para todos.


5.12.14

Meu Novembro

Adoro quando, naturalmente, as receitas se associam a boas memórias. E esta receita está agora para mim associada a um dia bem passado com uma amiga de longa data, assim como a uma amizade recente que esta aventura nos blogs me trouxe e ao apagar de uma vela, de um novo ano de vida rodeada pelas três pessoas mais importantes da minha vida, dos seus parabéns, beijos e abraços que são no fim a melhor prenda do dia que marca a data em que nasci. Novembro foi um bom mês, o meu mês.




Queques de chocolate
adaptada do livro "As receitas da Mafalda", da Mafalda Pinto Leite

1 courgette média
1 beterraba pequena
1 banana da madeira madura, esmagada com um garfo
2/4 de chávena de farinha de espelta (substituir por amêndoa moída para uma versão sem gluten)
1/4 de chávena de amêndoa moída
1/3 de chávena de cacau em pó
1/2 colher de chá de noz-moscada
1 colher de chá de fermento em pó
1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
3 ovos
1 colher de sopa (bem cheia) de azeite
1/3 de chávena de açúcar de coco
1 colher de chá de baunilha em pó
1/2 chávena bem cheia de chocolate preto partido em pedaços

Aqueça o forno a 180ºC. 
Forre um tabuleiro de queques com formas de papel, ou em alternativa utilize formas de silicone.
Numa tigela misture a farinha, o cacau, a canela, a noz-moscada, a baunilha, o fermento e o bicarbonato. Reserve.




Bimby:
Coloque a courgette e a beterraba partida aos pedaços no copo: 4 seg + vel 5. 
Junte a banana, os ovos, o azeite e o açúcar: 30 seg + vel 4.
Com a bimby em funcionamento na vel 3 vá deitando pelo bocal a mistura da farinha reservada. Não deixe bater demais.
Envolva, suavemente, o chocolate partido na massa com a espátula.





Tradicional:
Rale a courgette e esprema-a um pouco com as mãos para retirar um pouco do líquido que ela liberta.
Rale a beterraba e junte-a à courgette.
Numa tigela bata a banana, os ovos, o azeite e o açúcar.
Adicione esta mistura e os legumes reservados à mistura da farinha e bata até ficar tudo incorporado.
Envolva suavemente o chocolate partido.





Verta o preparado pelas formas reservadas e leve ao forno pré-aquecido por 15 minutos ou até estarem cozinhados.
Retire do forno e deixe arrefecer numa rede.












Estas pequenas delícias aguentam-se muito bem pelo menos uns três dias, que foi o tempo que eu guardei o exemplar que vêem na primeira foto e que eu "salvei" no fim de semana em que os fiz, para poder cantar os parabéns aqui em casa no dia do meu aniversário. 
As lindas formas que vêem nas fotos foi um presente da querida Sandra do That cake sweet, um blog lindo e doce como a autora, e que aconselho vivamente a espreitarem, caso não o conheçam. Obrigada Sandra, sem dúvida que elas ajudaram os meus bolinhos a fazerem boa figura para as fotografias.

26.11.14

Vamos fazer...crackers sem glutén para uma amiga

A receita de hoje está relacionada com uma amiga minha que, em adulta, descobriu que é intolerante ao glutén. Só quando tive que preparar um jantar para a receber aqui em casa, é que me apercebi de alguns cuidados que ela teve que introduzir no seu dia-a-dia para lidar com esta questão. 

Alimentos que eu pensava que não teriam glutén, como chocolate, batatas fritas entre outros, poderão estar efectivamente contaminados devido ao processo de fabrico, pelo que ler com atenção os rótulos é imprescindível. 

Para além disso, existe outros cuidados a ter em atenção que advém da coexistência com outras pessoas que não são intolerantes. Um exemplo que nunca me esqueci, é o ter dois pacotes de manteiga, um para ela e outro para os restantes habitantes da casa, de modo a ter a certeza que não ingere vestígios de migalhas que ficam na manteiga quando se barre o pão com ela.




No dia do jantar fiz uns patés que servi com umas tostas sem glutén que comprei. Só no dia seguinte ao relembrar o tema bolachas salgadas do desafio da Manuela, "Vamos fazer bolachas", é que dei por mim a pensar que era uma boa oportunidade para experimentar fazer umas sem glutén que pudesse usar num futuro jantar. Por isso, S. estas crackers são para ti. 


























Crackers de Sementes e Frutos secos (Sem Glutén)
receita daqui 

300g de mistura de frutos secos e sementes (usei 1/2 chávena de amêndoas, 1/2 chávena de cajus, 1/2 chávena de sementes de girassol, 1/2 chávena de sementes de abóbora)
1 ovo
2 colheres de sopa de água
1 colher de chá de sal marinho
sementes de sésamo e chia para polvilhar


Bimby/Tradicional
Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Forrar o tabuleiro do forno com papel vegetal e reservar.
Transformar as sementes e os frutos secos em farinha usando uma picadora ou no caso da bimby, 5seg + vel 9.
Juntar os restantes ingredientes e envolver bem com uma colher de pau ou na bimby, 20seg + vel 4.
A massa fica com uma textura bastante rígida.
Dividir a massa em duas partes.
Colocar uma das partes entre duas folhas de papel vegetal e estender a massa num rectângulo com uma espessura bastante fina. Fazer o mesmo com a outra parte.
Com uma faca afiada cortar a massa em quadrados, tiras ou com o formato que se pretender.
Colocar no tabuleiro as crackers, pincelá-las com água e polvilhá-las com as sementes de sésamo ou chia.
Levar ao forno durante 10 minutos ou até estarem douradas. Prestar muita atenção, pois podem queimar com facilidade.
Retirar e deixar arrefecer sobre uma rede.
Guardar num recipiente hermético quando fria.


Eu adoro frutos secos, é vê-los a desaparecerem da despensa à conta de tanto os petiscar. Pelo que o sabor destas crackers são para mim a perfeição numa bolacha salgada. Adorei!
Para além desse grande pormenor, já viram o quanto é simples e rápido de preparar?!?! Acho que demorei mais tempo a tirar fotos do que a fazê-las e a cozinhá-las. É certo e sabido, que vão ser repetidas, acho que descobri um novo vício.



14.11.14

O meu Bundt Cake Roll with a Twist

E não é que já passou um mês desde a minha última publicação! Juro que há dias em que eu não entendo como o tempo me escapa. E não é que não tenha cozinhado, pelo contrário! Já a máquina fotográfica é que não têm trabalhado tanto. Têm sido várias as vezes em que por falta de paciência, não tenho tirado fotos de receitas que fiz e que me surpreenderam. Mas um dia, eu emendo-me ou talvez não!

Mas vamos à receita de hoje e que me deixou muito entusiasmada. Não sei se já o disse por aqui, mas eu adoro fazer pão doce! E por estranho que pareça, a falta de paciência que eu demonstro em várias aspectos do dia a dia, não surge quando me dedico a fazer uma receita assim, pelo contrário, este processo acalma-me. Claro, que o facto de eu me dedicar a receitas destas ao fim de semana, em que o tempo é mais meu, influencia muito.




Pois então, o tema da Bundtmania deste mês é "Bundt Cake Roll with a Twist", o que segundo a Mena, a anfitriã desta edição, significa caracóis docinhos com canela e recheios à nossa imaginação, desde que apresentados numa forma de bundt. Posso dizer, que esta foi a primeira edição em que mal eu soube o tema, bastou-me uns minutos a pensar no assunto para ficar com uma ideia clara do que queria fazer. E foi assim que surgiu esta delícia.





Bundt Cake Rolls de Batata Doce e Canela com Recheio de Maçã
adaptado daqui

Massa:
1 chávena de leite morno (usei leite de aveia)
1 colher de sopa de mel
2 ovos, batidos
2 chávenas de puré de batata doce*
1 colher de sopa de azeite
1 colher de café de sal
2 e 1/2 chávenas de farinha T65
1 colher de sopa de mistura de especiarias, ver aqui
2 chávenas de farinha integral
25g de fermento de padeiro ou 8g de fermento seco


Recheio:
4 maçãs raladas grosseiramente
sumo de 1/2 limão
1/4 chávenas de uvas passas ou sultanas douradas
1/4 chávena de nozes partidas grosseiramente
1 colher de sopa de amido de milho (Maizena)
2 colheres de sopa de manteiga derretida
mistura de açúcar e canela q.b.**

*cozer 2 batatas doces médias cortada aos cubos numa panela com água até estarem macias, escorrer bem a água e depois triturá-las em puré. Infelizmente as minhas batatas não tinham aquela cor laranja, que faria a massa ficar com uma cor muito bonita!
**Misturar açúcar amarelo, açucar branco ou mascavado claro e canela a gosto

--------------------------------------

Comecemos pela Massa:

Máquina do Pão
Colocar todos os ingredientes pela ordem indicada, e desfazer o fermento de padeiro na farinha, com a ponta dos dedos.
Programar o ciclo que amassa, na minha máquina é de 10 minutos. Repetir o ciclo.
Formar uma bola e retirar para uma tigela untada com azeite.
Tapar com película aderente e um pano de cozinha e colocar num sítio ameno, como o micro-ondas.
Deixar repousar cerca de 1h30m, até dobrar de volume.

Bimby
Colocar no copo o puré, os ovos, o leite, o azeite, o mel e o sal: 15seg + vel 6.
Adicionar as farinhas e as especiarias. Desfazer o fermento de padeiro com as pontas dos dedos na farinha: 20seg + vel 6 e depois 3 min+vel. espiga.
Formar uma bola e retirar para uma tigela untada com azeite.
Tapar com película aderente e um pano de cozinha e colocar num sítio ameno, como o micro-ondas.
Deixar repousar cerca de 1h30m, até dobrar de volume.

Tradicional
Aqueça ligeiramente o leite com o mel e dissolva o fermento. Deixe repousar uns 10 minutos para activar o fermento.
Misture o puré com as especiarias, os ovos e o azeite e 1 colher de farinha T65. 
Faça um vulcão com as farinhas e o sal. No meio coloque o leite e a mistura do puré.
Amassar durante uns 10 minutos até ficar uma massa macia e deixar de colar às mãos. Se necessário, adicionar mais farinha.
Formar uma bola e retirar para uma tigela untada com azeite.
Tapar com película aderente e um pano de cozinha e colocar num sítio ameno, como o micro-ondas.
Deixar repousar cerca de 1h30m, até dobrar de volume.

----------------------------------------------

Entretanto prepare o recheio:
Descascar as maçãs e ralá-las com um ralador grosso. Na bimby, 4 seg + vel 5.
Regar com o sumo de limão.
Polvilhar com 2 colheres de sopa de mistura de açúcar com canela a gosto e misturar bem com uma colher.
Adicionar o amido de milho, as uvas passas e as nozes. Envolver. Reservar.

Untar muito bem uma forma de bundt grande com manteiga e polvilhar com farinha, sacudindo o excesso. Reservar.
Depois da massa repousar, retirar algum ar à massa e dividi-la em 2 partes iguais.
Com o rolo da massa, estender uma das partes num rectângulo grande.
Pincelar a massa com a manteiga derretida e polvilhar com uma camada da mistura de açúcar e canela.
Enrolar, como se fosse uma torta. 
Cortar o rolo em fatias de espessura de 1 dedo.
Repetir o mesmo processo com a restante massa.
Espalmar ligeiramente cada fatia obtida, e colocá-las na forma de bundt, de modo a forrar o fundo e as laterais. 
Espalhar o recheio de maçã reservado pelo meio.
Cobrir o recheio com as restantes fatias espalmadas.
Tapar a forma com película aderente e um pano de cozinha, e deixar repousar mais 20 minutos.
Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Levar a forma ao forno aproximadamente 25-30 minutos, até ficar dourado.
Retirar e deixar repousar numa rede durante uns 15 minutos.
Desenformar e pincelar o bolo com geleia derretida.




O sabor destes caracóis é de bradar aos céus, canela e maçã em doses generosas, como não gostar?!?! E quem diria que caracóis numa forma ficavam tão giros!?! Bom, diziam as meninas Lia e Mena, que com toda a razão sugeriram este tema, e que tornou-se no meu favorito, até agora.
Nada como uma fatia destas bem generosa acompanhada de uma grande chávena de chá quente, um bom livro e a vossa manta preferida, para fazer esquecer este dia de trovoadas, frio e chuva!
Um doce fim de semana para todos. 


14.10.14

Um bundt guloso para um aniversário

Eu adoro caramelo! Basta ver, por exemplo, quais os meus gelados favoritos ao longo dos anos, Magnum Caramelo, Sunday Caramelo, Carte d'Or Caramelo ou Caramelo, Canela e Waffer ou...como já deu para perceber o padrão, é melhor ficar por aqui antes que pensem que estou a fazer publicidade a alguma marca ou que vou mostrar algum gelado caseiro, pois não é o caso...está frio, pelo que prefiro bolos...com caramelo, claro!

Neste caso, um bundt maravilhoso de baunilha, chocolate e caramelo coberto com um molho de caramelo salgado, pois mais caramelo nunca é demais, pelo menos para mim. E este bolo vai direitinho para a festa da Bundtmania que está a festejar o seu 1º aniversário no cantinho da Lia, o delicioso Lemon&Vanilla. As Madames Bundettes Lia e Mena tiveram uma ideia genial ao criarem estes desafios da bundtmania, adoro participar neles e tenho aprendido sempre algo novo com cada um deles.




Bundt Mármore de Chocolate e Caramelo Salgado
adaptado daqui

Camada de Baunilha
60g de manteiga
70g de açúcar amarelo
1 ovo
90g de farinha com fermento
1/2 colher de sopa de baunilha em pó
1 colher de chá de fermento
75g de crème fraîche

Camada de Caramelo
60g de manteiga
70g de açúcar amarelo
1 ovoa90g de farinha com fermento
1/2 colher de sopa de baunilha em pó
1 colher de chá de fermento
75g de crème fraîche
1/2 colher de sopa de molho de caramelo salgado

Camada de Chocolate
60g de manteiga
70g de açúcar amarelo
1 ovo
80g de farinha com fermento
10g de cacau em pó
1 colher de chá de fermento
75g de crème fraîche
25g de chocolate com 70% de cacau, derretido

Molho de Caramelo Salgado
adaptado daqui
90g de manteiga
100g de açucar branco
100g de açúcar amarelo
120g de natas
1 colher de chá de sal marinho

Começar pelo molho de caramelo salgado. 
Levar a manteiga e os açúcares a derreter numa panela pequena, em lume médio durante uns 3 minutos, mexendo de vez em quando com uma espátula ou colher de pau.
Assim que estiver tudo derretido e com um tom castanho caramelo, adicionar muito devagar e com cuidado as natas e o sal, mexendo continuamente com a colher ou espátula. Deixar ferver durante 1 minuto e retirar. Para usar tem que estar frio.




Para o bolo untar muito bem uma forma de bundt com manteiga e polvilhar com farinha, sacudindo para retirar o excesso. Reservar.
Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Para a camada de baunilha, bater muito bem o açúcar com a manteiga até ficar um creme pálido e fofo.
Adicionar o ovo e bater até ficar bem combinado.
Peneirar a farinha com o fermento e a baunilha em pó.
Com a batedeira a funcionar juntar 1/3 da mistura da farinha, depois metade do crème fraìche, outro terço da farinha, o restante crème fraîche e finalizando com a restante farinha.
Noutra tigela, repetir estes procedimentos com os ingredientes da camada caramelo, misturando o molho de caramelo com o crème fraîche.
E numa terceira tigela, repetir o procedimento com os ingredientes da camada de chocolate, peneirando o cacau com a farinha e juntando o chocolate derretido ao crème fraîche.
Colocar na forma de bundt reservada um pouco da massa de baunilha, seguida de um pouco de massa de caramelo e depois um pouco da massa de chocolate. Repetir as diferentes camadas quantas vezes o necessário até esgotar todas as massas.
Levar ao forno durante 35 a 40 minutos ou até passar o teste do palito.
Deixar o bolo arrefecer durante 30 minutos na forma em cima de uma rede antes de desenformar.
Colocar o bolo no prato de servir e cobrir, a gosto, com o molho de caramelo salgado. 




Este molho é um perigo para uma pessoa como eu! Não consegui resistir a comer algumas colheres directamente da panela (consegui ter paciência para deixar esfriar, afinal tenho algum amor próprio pela minha língua). Quanto ao bolo ele é delicioso, houve quem não quisesse muito mais molho para além do que coloquei como cobertura, o que não foi o meu caso...as minhas fatias estavam consideravelmente com muito molho de caramelo extra!





Que venha a festa, assim como muitas mais edições e aniversários da Bundtmania! 

7.10.14

Semana vegetariana - take 2

Está prestes a acabar a semana vegetariana, que acontece entre o dia 1 a 7 de Outubro. No ano passado, assinalei esta semana através da receita que podem ver aqui

Ter refeições vegetarianas ou vegan em casa já se tornou algo habitual. Não sou vegetariana, embora as minhas refeições tendem, cada vez mais, a serem constituídas por vegetais e leguminosas, e volta e meia acabo a dispensar a carne para os restantes membros da casa, pois não lhe sinto a falta. Mas depois há o peixe (o meu adorado salmão e atum, nham), e esta sushi lover ainda não consegue abdicar de todo. Quanto aos meus homens, bem por enquanto ter 2 ou 3 refeições diferentes, são o máximo que eles me concedem sem grandes alaridos! Mas a vida é um caminho em que aprendemos e mudamos, e como mãe estou confiante que eles estão a crescer com a noção de que somos o que comemos, e que no futuro serão pessoas saudáveis e conscientes do que lhes faz bem.

Uma das minhas grandes inspirações para as minhas refeições vegan familiares é a Patrícia do lindíssimo e saboroso blog Not Guilty Pleasure, e que está a festejar em grande esta semana, com uma casa nova, e muitas entrevistas e receitas a preceito, que aconselho a espreitarem.

Pelo que contribuindo para esta semana vegetariana e em jeito de agradecimento à Patrícia pelo fantástico trabalho que ela faz a educar-me através do seu blog, hoje trago como refeição principal uma receita dela já por diversas vezes repetida e aprovada por aqui! 




Massa com legumes e tofu sweet chilli
adaptada do Not Guilty Pleasure

1 colher de azeite ou óleo de sésamo
1 alho francês grande, cortado em meias luas
1 cenoura média, cortada em tiras finas e compridas
1 pimento médio, cortado em tiras finas e compridas
150gr de cogumelos frescos brancos ou marron, laminados
1 dente de alho 
1 pedaço de gengibre, de 2 cm aproximadamente 
1 colher de sopa de molho de soja
1 colher de sobremesa de vinagre de arroz
250g de tofu
massa esparguete integral, para 4 pessoas
2 colheres de sopa de coentros picados grosseiramente
sementes de sésamo q.b.

Marinada:
1 dente de alho
1 pedaço de gengibre, de 1 cm aproximadamente
1 colher de sopa bem cheia de molho sweet-chilli
1 colher de sopa de molho de soja

Cortar o tofu aos quadrados pequenos. 
Ralar o dente de alho e o gengibre. Eu uso um esmagador de alhos para ambos, e descarto a parte fibrosa do gengibre, que fica no esmagador.
Juntar o tofu e todos os ingredientes da marinada e deixar repousar no frigorífico pelo menos uns 30 minutos.
Cozer o esparguete integral numa panela grande cheia de água temperada com sal, durante o tempo aconselhado na embalagem.
Entretanto, preparar todos os legumes.
Num wook ou numa frigideira grande e larga, aquecer o azeite ou o óleo e saltear o alho francês, o pimento, a cenoura, o alho e o gengibre ralados, em lume médio/brando durante uns 5 minutos, até amolecerem.
Adicionar os cogumelos, e saltear mais uns 2 minutos.
Temperar com o molho de soja e o vinagre e deixar apurar mais uns 3 minutos.
Colocar numa saladeira grande e reservar.
Na mesma frigideira, juntar mais um pouco de óleo ou azeite, e saltear o tofu marinado até ficar tostado de todos os lados.
Envolver a massa com os legumes e o tofu. 
Salpicar com coentros picados e sementes de sésamo e servir.

Os meus filhos não apreciam muito a massa chinesa, por isso é que optei pela massa esparguete integral que resulta na perfeição neste prato.
E para adoçar o final de uma bela refeição, nada como uma boa sobremesa, daquelas docinhas e saborosas, mas bem saudáveis, sem qualquer adição de açúcar, e que nos deixa de bom humor e leves...de culpa.





Barras de abóbora saudáveis
adaptado daqui

Crosta:
1/2 chávena de amêndoas 
1/2 chávena de flocos de aveia (podem ser substituídos por mais amêndoas ou outro fruto seco)
1/2 chávena de alperces ou ameixas secas
1/4 colher de sopa de canela
1/4 colher de sopa de noz-moscada
1/8 colher de sopa de sal marinho
2 colheres de sopa de óleo de coco, derretido
1 colher de sopa de água

Recheio:
1 chávena bem cheia de puré de abóbora-manteiga assada*
5 tâmaras
3 colheres de sopa de óleo de coco, derretido
1 pitada de sal marinho
1 colher de sopa de especiarias para abóbora **
2 colheres de sopa de água

* para obter o puré veja aqui
**misturar: 1 colher de sopa bem cheia de canela moída, 1 colher de sopa mal cheia de gengibre em pó, 1/2 colher de sopa de noz-moscada, 1/2 colher de sopa de cravinho moído e 1 pitada de cardamomo em pó. Guardar estas especiarias num frasco e usar em bolos ou tartes, ficam muito bem com abóbora e maçã, por exemplo.

Bimby/Picadora:
Com a bimby ou com uma picadora picar as amêndoas e os flocos de aveia até ficarem em farinha.
Adicionar os alperces ou ameixas (sem caroço! façam o que eu digo, não façam o que eu faço e mais não digo) e picar bem até ficarem bem desfeitas.
Juntar os restantes ingredientes e picar até estarem todos bem combinados.
Colocar a mistura num tabuleiro ou prato quadrado, forrado a película aderente com uns bordos que permitam depois levantar as barras facilmente.
Pressionar bem a mistura com as costas de uma colher e colocar no frigorífico, enquanto se prepara o recheio.
Para o recheio, picar as tâmaras (sem caroço! nesta parte já me lembrei desse pequeno pormenor) até ficarem tipo uma pasta.
Adicionar os restantes ingredientes e picar até estarem bem combinados.
Colar o recheio sobre a cobertura, alisando o topo com uma espátula.
Tapar o tabuleiro ou prato com película aderente e levar ao congelador até o topo ficar firme ao toque.
Retirar e cortar aos quadrados ou rectângulos, e servir.
Guardar no congelador, o que não consumir, retirando sempre uns 5 minutos antes de servir.




Estas barrinhas são tão boas, mas tão boas! Já para não falar o quanto são simples e rápidas de fazer, nem 10 minutos e já estavam no congelador! Ai, ai já estou com saudades...são um vício, é o que elas são, tivesse aqui mais puré de abóbora...pelo menos este vício é bem melhor do que outros. :)


24.9.14

Vamos Fazer Biscotti??

A minha nostalgia pelo fim do verão passa para segundo plano assim que me lembro de duas coisas que eu adoro nesta nova estação que chegou, maçãs e abóboras! Este não foi um ano muito generoso em maçãs, pelo menos lá na aldeia dos meus pais, mas já em abóboras o caso muda de figura. 

Elas têm sido muitas e algumas variedades têm crescido de tal forma, que ao olhar para uma delas, o meu primeiro pensamento foi "eu cabia ali dentro!". O que me levou a imaginar situações com bastante potencial para o Hallowen, mas que vão continuar no domínio da imaginação, tendo em conta os últimos resultados entre mim e uma abóbora. A abóbora ganhou, o que encerrou o assunto!

Posso ser péssima em esculpir abóboras, mas quando se trata de simplesmente cortar e assar, aí já tudo corre com normalidade, e ganho eu...um belo puré de abóbora. Neste último fim de semana, a eleita foi uma bela abóbora manteiga, a minha preferida. E este foi um dos resultados...




Biscotti de abóbora, amêndoa e arandos
adaptado daqui


1 e 1/2 chávena de farinha com fermento
1 chávena de farinha integral (usei metade de trigo e de espelta)
1 colher de chá de fermento
1/2 colher de sopa de bicarbonato de sódio
1/4 colher de sopa de sal marinho
1 colher de sopa de canela
1/2 colher de sopa de gengibre em pó
1/4 colher de sopa de cardamomo em pó
1/4 chávena de amêndoa moída
3/4 chávena de puré de abóbora **
1 chávena de açúcar mascavado
2 ovos grandes
1/2 chávena de amêndoas laminadas
1/2 chávena de arandos desidratados
sementes de sésamo q.b.


**Para obter o puré - cortar a abóbora ao meio, retirar as sementes, temperar com um fio de azeite e uma pitada de sal e levar ao forno a 180ºC, num tabuleiro forrado a papel vegetal, com a parte da casca virada para cima durante 35 minutos aproximadamente. Depois de assada, retirar a pele, que sai facilmente, e triturá-la em puré.


Tradicional:
Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Forrar um tabuleiro de forno com papel vegetal. Reservar.
Numa tigela misturar bem os primeiros nove ingredientes secos. Reservar.
Noutra tigela grande bater bem o puré, o açúcar e os ovos. Adicionar as amêndoas laminadas e os arandos.
Juntar os ingredientes secos reservados e misturar bem com uma colher de pau até ficar tudo bem envolvido.
Colocar a mistura no tabuleiro reservado, espalhando com a colher de pau ou com as mãos bem enfarinhadas, de forma a ficar um rolo com uma altura de uns 4-5cm e arredondado nas pontas. Também pode, como indicado na receita original, dividir a mistura em 2 rolos compridos e estreitos.
Polvilhar o topo com sementes de sésamo.
Levar ao forno durante 25 minutos, rodando o tabuleiro a meio do tempo.
Retirar o tabuleiro do forno, deixar repousar 10 minutos.
Diminuir a temperatura do forno para os 160ºC.
Transferir o rolo para uma tábua de pão. Com uma faca de serrilha, cortar o rolo ao meio, no sentido do comprimento, e depois cada metade em fatias de aproximadamente 1 dedo de largura.
Colocar as fatias, lado a lado, no tabuleiro forrado a papel vegetal e levar ao forno até ficarem douradas e estaladiças, aproximadamente 15 minutos, virando as fatias a meio do tempo.
Retirar do forno e deixar arrefecer numa rede.
Conservar numa embalagem hermética.




Bimby:
Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Forrar um tabuleiro de forno com papel vegetal. Reservar.
Colocar no copo da bimby os primeiros 9 ingredientes secos: 10 seg + vel 3. Retirar e reservar.
Colocar no copo o puré, o açúcar e os ovos: 1,30 min + vel 4.
Adicionar a amêndoa laminada e os arandos: 15 seg + vel 3+ colher inversa.
Juntar os ingredientes secos reservados: 20 seg + vel 3 + colher inversa.
Acabar de envolver com a espátula. 
Colocar a mistura no tabuleiro reservado, espalhando com a espátula ou com as mãos bem enfarinhadas, de forma a ficar um rolo largo com uma altura de uns 4-5cm e arredondado nas pontas. Também pode, como indicado na receita original, dividir a mistura em 2 rolos compridos e estreitos.
Polvilhar o topo com sementes de sésamo.
Levar ao forno durante 25 minutos, rodando o tabuleiro a meio do tempo.
Retirar o tabuleiro do forno, deixar repousar 10 minutos.
Diminuir a temperatura do forno para os 160ºC.
Transferir o rolo para uma tábua de pão. Com uma faca de serrilha, cortar o rolo ao meio, no sentido do comprimento, e depois cada metade em fatias de aproximadamente 1 dedo de largura.
Colocar as fatias, lado a lado, no tabuleiro forrado a papel vegetal e levar ao forno até ficarem douradas e estaladiças, aproximadamente 15 minutos, virando as fatias a meio do tempo.
Retirar do forno e deixar arrefecer numa rede.
Conservar numa embalagem hermética.




Foi a primeira vez que fiz biscotti, e tudo graças ao desafio deste mês da Manuela e o seu "Vamos fazer bolachas!". Este tipo de biscoitos, de origem italiana e que têm a particularidade de irem ao forno duas vezes, são realmente uma maravilha para acompanhar um café ou uma bebida quente. Pela casa dos meus pais, eles fizeram sucesso. A minha mãe apanhou bem a técnica de mergulhá-los no café e saboreá-los com um sorriso!

14.9.14

Um bolo bem aromático

Retornamos a Braga a tempo inteiro, muitas arrumações e desarrumações pelo meio a ocupar o passado fim de semana, e a melancolia a espreitar por abandonar a beira-mar por longos meses. Fechamos a casa e a saudade segue-nos em viagem, e com o passar dos dias só aumenta, principalmente nas noites quentes e abafadas da cidade, em que o descanso não vem do mesmo modo, porque nos falta o som e a frescura do mar...que bem habituados estávamos!

A despedida em família do Verão foi acompanhada por um bolo aromatizado com a única erva aromática que os meus pais tinham presente no seu quintal. E assim com um raminho de hortelã-menta nas mãos, lá fui para a cozinha deles, conjugá-la com o que havia na despensa e responder ao desafio da Bundtmania deste mês, cuja anfitriã é mamã Mena.




Bundt de laranja e hortelã-menta

125g de manteiga magra à temperatura ambiente
80g de açúcar amarelo
100g de açúcar branco
1 laranja 
1 raminho de hortelã-menta
4 ovos
1 iogurte grego açúcarado
250g de farinha com fermento
100g de amêndoa moída
1 colher de café de bicarbonato de sódio
1 colher de café de fermento

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Untar muito bem uma forma de bundt com azeite. Reservar.
Ralar a casca da laranja e juntá-la ao açúcar branco, envolvendo-a com os dedos até libertar os seus aromas. Reservar.
Triturar muito bem a laranja, sem a casca e as pevides, com as folhas de hortelã. Reservar.
Misturar a farinha com a amêndoa, o bicarbonato e o fermento. Reservar.
Bater a manteiga com os açúcares, durante uns minutos até ficar uma mistura clara e fofa.
Adicionar os ovos, um a um, batendo muito bem entre cada adição.
Com a batedeira sempre em funcionamento, juntar a mistura da laranja e hortelã em fio.
Adicionar a mistura da farinha e amêndoa em três adições, alternando com o iogurte, começando e terminando com a farinha.
Verter a mistura para a forma reservada e levar ao forno pré-aquecido, durante uns 30 minutos, ou até que ao espetar um palito, este saia seco.
Deixar arrefecer numa rede, durante pelo menos uns 20 minutos, antes de desenformar.




Este bolo têm um sabor fresco e muito distinto. Nunca tinha utilizado ervas aromáticas em bolos, mas realmente o seu uso, dá outra dimensão a um simples bolo de laranja, o que me deixou curiosa com outras possibilidades aromáticas. 

As fotos não ficaram com a qualidade que gostava, mas com as arrumações, a máquina fotográfica já tinha seguido para Braga uns dias antes, pelo que tive que me contentar com o telemóvel. Se com a máquina, as minhas habilidades fotográficas já deixam a desejar, com o telemóvel, nem se fala! Só posso dizer, que este bolo sabe bem melhor do que estas  imagens o demonstram, e que vale a pena experimentarem. Espero que gostem!




14.8.14

A gulosa rende-se a um bolo salgado!

Estes meses de férias dos miúdos alteram completamente as nossas rotinas e hábitos em relação ao resto do ano. Se por um lado fico um pouco triste por não conseguir acompanhar a blogsfera como gostaria, a verdade é que sinto que há que aproveitar ao máximo estes dias. Quer seja dia de trabalho ou de descanso, basta o cheiro do mar para nos revitalizar, e os passeios depois do jantar tornam-se quase obrigatórios e prolongam-se pela noite fora, até que o mais pequeno indique que a energia já acabou, e que a cama o chama. Chama-nos a todos, que mal atravessamos a porta da entrada, é uma questão de minutos e já toda a gente dorme, esgotada. São grandes os dias, mas passam depressa demais, como bem dizem os miúdos!

O que também passou, depressa demais, foi o prazo para a 10ªedição da Bundtmania, e que apesar de ter sido aumentado para dois meses (simplesmente o dobro!), lá me encontrei eu a correr contra o tempo, para fazer um bundt para as meninas Lia e Mena, e manter o meu, "não muito bom e a melhorar", hábito de chegar um pouco em cima do final, mas completamente determinada a não repetir o erro da última edição.

O tema desta edição são Bundt Cakes Salgados para um piquenique. Em jeito de piada cósmica, o dia que eu determinei para fazer o bundt, foi um dos dias mais cinzentos, frios e chuvosos dos últimos tempos, nada a ver com dias para piquenique e lá foram os meus planos, para fazer fotos na praia, levados pela chuva. Portanto, picnicar só dentro de quatro paredes. 



Bundt de Atum, Banana, Azeitona e Pimento Verde
adaptado da receita de muffins da pagina 29 do livro Velocidade Colher, de Susana Gomes

125g de farinha de trigo integral
125g de farinha de trigo com fermento
1 colher de café de fermento
40g de azeite
40g de óleo
50g de leite
1 iogurte natural
2 ovos
2 colheres de sopa de polpa de tomate
1 banana, esmagada com um garfo
80g de queijo mozarella ralado
150g de atum ao natural
20g de azeitonas pretas, partidas aos bocadinhos
30g de pimento verde, cortado aos quadradinhos
1 colher de chá de cebola picada (opcional)
1 colher de café de orégãos secos
sal q.b.

Untar muito bem uma forma de bundt com azeite. Eu usei uma de silicone, pelo que só a passei por água. Reservar.
Pré-aquecer o forno a 180ºC.

Tradicional:
Misturar numa tigela as farinhas com o fermento.
Numa outra tigela, juntar o azeite, o óleo, o leite, o iogurte, os ovos, a polpa de tomate, a banana, o sal e os orégãos, bater bem até ficar tudo homogéneo. 
Adicionar o queijo, o atum, as azeitonas e o pimento, e por fim as farinhas reservadas, e envolver tudo até ficar bem misturado.
Verter para a forma reservada e levar ao forno pré-aquecido, até a parte de cima ficar dourada, e passar no teste do palito.
Colocar a forma numa rede a arrefecer durante uns 10 a 15 minutos, antes de desenformar.
Deixar o bolo arrefecer completamente em cima da rede. Servir à temperatura ambiente ou frio, acompanhado com uma salada a gosto.





Bimby:
Pesar no copo as farinhas e o fermento, em seguida: 2 seg + vel 3.
Retirar e reservar.
Colocar no copo o azeite, o óleo, o leite, o iogurte, os ovos, a polpa de tomate, a banana, o sal e os orégãos: 30 seg + vel 4.
Adicionar o queijo, o atum, as azeitonas e o pimento, e por fim as farinhas reservadas: 15 seg+ vel 3, colher inversa.
Acabar de envolver com a espátula e verter para a forma reservada.
Levar ao forno pré-aquecido, até a parte de cima dourar e passar no teste do palito.
Colocar a forma numa rede a arrefecer durante uns 10 a 15 minutos, antes de desenformar.
Deixar o bolo arrefecer completamente em cima da rede. Servir à temperatura ambiente ou frio, acompanhado de uma salada a gosto.




Eu como gulosa que sou, viro-me mais rápido para bolos doces, do que salgados mas este bolo foi uma surpresa muito, muito boa! Eu fiquei viciada, e o facto de comer fatia, atrás de fatia, sem me dar conta, demonstra-o bem. A textura é super macia, que suponho que terá sido da adição da banana, e que apesar de não se notar no sabor, dá um toque bem especial. 
Madames Bundettes, Lia e Mena, obrigada pela sugestão desta edição, afinal eu sou gulosa é por bons bolos, doces ou salgados!

26.7.14

Desafio Receita Saudável

O desafio da receita saudável da Maria pôs o meu cérebro a recordar como começou o meu interesse por uma alimentação mais saudável, e sem dúvida que o grande culpado foi o meu irmão do meio (somos 3, e eu sou a pequena da família). 
De facto, o meu irmão e a sua curiosidade por modos de estar alternativos deu-me a conhecer à uns 7 anos atrás imensos assuntos que me eram completamente estranhos, tais como o vegetarianismo, o crudivorismo, a germinação de sementes, a compostagem, a permacultura e a agricultura biológica. Não é coincidência que 80% do que consumimos em casa seja bio, começou com o interesse dele nesse assunto e comigo, a posteriori, a fazer um curso de agricultura biológica na Quercus, o que completou a mudança.
Primeiro há que referir que o meu irmão vive com os meus pais, e como ele sabia que da minha mãe não ia conseguir qualquer cooperação para experimentar algo novo e diferente, virou-se para a cozinheira mais receptiva à questão e que nas visitas a casa, poderia proporcionar-lhe o que ele pretendia, eu!
Primeiro aliciou a minha curiosidade com imensos artigos sobre benefícios e receitas de imensos alimentos, muitos dos quais nunca tinha ouvido falar na vida, e bem me lembro de muitas horas que naveguei pelo centro vegetariano. Apesar de eu achar tudo muito interessante, a verdade é que na prática eu não mexi um dedo no sentido de realmente cozinhar algo diferente, pelo que ele optou pelo ataque, fez uma compra de uma série de alimentos pela internet e de repente, lá deparei-me com um armário cheio de sementes, leguminosas e cereais, para além de embalagens de soja e tofu!! 
Enquanto ele se dedicava à germinação de alfafa e feijão mungo, eu aventurei-me pela bolonhesa de soja, que resultou bem e pôs-me bem animada com aquilo tudo. Porém a seguir, fiz uma receita de tofu e quinoa, que foi um desastre!! Posso dizer que o meu irmão até comeu bem mais do que eu esperava, enquanto ia dizendo, para me animar, que não estava muito mal. Mas aquilo marcou-me de tal maneira, que durante muito tempo não me aventurei novamente com a quinoa e o tofu. 



Na altura essas refeições que eu fazia, eram só para nós os dois, pois o resto da família não estava receptiva a experimentar essas comidas "estranhas" como eles diziam. Apesar de na casa dos meus pais não ter havido grandes alterações nos hábitos alimentares, foi assim que começou a mudança aqui em casa, e hoje em dia a diferença no que se come é realmente enorme, e há-de continuar, pois a curiosidade e o interesse por comida saudável e saborosa, e por novos alimentos veio para ficar.
E é devido a esta história toda que hoje trago a quinoa como protagonista, pois hoje em dia nós já nos entendemos bem, e tornou-se no meu cereal preferido para usar em saladas mornas ou frias. Apesar de também fazer muito sucesso por aqui em hambúrgueres, almôndegas e gratinados. Só ainda não a experimentei em doces, uma falha inexplicável, para uma gulosa como eu! 




Salada de quinoa, shiitake, espinafres e ovos escalfados
Serve 4 pessoas

1 chávena de quinoa bem lavada e escorrida
2 chávenas de água
1/2 cebola, cortada às meias luas
3 dentes de alho, picados grosseiramente
1 cenoura pequena, cortada em juliana 
200g de cogumelos shiitake, sem o caule e cortados às tiras
2 chávenas de espinafres ou acelgas 
1 ovo, por pessoa
2 colheres de sopa de pinhões, tostados
1 colher de sopa de salsa picada
1 colher de sobremesa de arandos ou sultanas douradas, pode hidratá-las 1 minuto em água morna
azeite q.b.
sal, pimenta q.b. 
vinagre ou sumo de limão q.b.

Colocar a quinoa e a água numa panela e levar a cozinhar em lume forte.
Assim que começar a ferver, temperar com uma pitada de sal, tapar a panela e reduzir para lume brando.
Deixar cozer durante 20 minutos. Podem ver um video perfeito como cozinhar quinoa aqui.
Soltar os grãos com um garfo e reservar. Podem cozinhar a quinoa no dia anterior e usá-la fria.
Num tacho, saltear numa colher de azeite, os alhos, a cebola e a cenoura.
Adicionar os cogumelos, e deixar saltear, durante 2 a 3 minutos.
Temperar com uma pitada de sal e juntar os espinafres, reduzir para lume brando e envolver bem, até os espinafres murcharem ligeiramente. Reservar
Para os ovos, colocar uma panela com água a ferver.
Assim que começar a ferver, partir um ovo para uma taça e deslizá-lo para dentro da panela, deixar cozinhar cerca de 3 minutos e retirá-lo cuidadosamente com uma espátula. Repetir com os restantes. Reservar
Fazer um vinagrete com azeite e vinagre ou sumo de limão a gosto, temperar com pimenta e se gostarem de picante, uma pitada de pimenta caíena, acrescentar a salsa picada. Reservar.
Para montar o prato, colocar a quinoa, temperar a gosto com o vinagrete e os arandos.
Colocar os legumes e no topo o ovo. 
Polvilhar com pinhões e se necessário com um pouco mais de vinagrete.




Nisto tudo também houve uma nova experiência, tantos anos a cozinhar e tantos alimentos novos, e nunca até agora tinha feito um ovo escalfado! Por vezes, temos que voltar ao básico, não é?