5.7.13

Experiências com o sol...

Com o terminar das aulas dos miúdos, rumámos todos para o sul do país para gozar uma semana de férias, ainda sem a confusão habitual por aquelas bandas, pois os turistas eram reduzidos, mas com um tempo bem diferente do cinzento que deixámos no norte! Uma semana em que a cozinheira não tinha que preparar absolutamente nada para ninguém e apenas deixar-se mimar por outros! Foi muito bom e passou num instante...embora tenha que confessar que para o final da semana, já estava com algumas saudades das minhas experiências e confusões na cozinha.

Ainda sem assentar arraiais na minha cozinha, o tempo tem-se passado entre dias com a família, que agora podem-se estender para além do fim de semana, e passeios, como à Feira do Mirtilo, que visitamos pela primeira vez na sexta-feira passada, para evitar a enorme concentração de visitantes do fim de semana, o que foi uma experiência muito agradável e a ser repetida, apesar do calor infernal que dava a sensação de estar a cozinhar o meu cérebro! Eu e este calor não combinámos muito bem!

Mas este sol e calor todo, foi a razão de me lembrar de uma das aquisições do meu mano, um forno solar! E se com estas temperaturas a vontade de ligar o forno para fazer um miminho fica quase nula, digamos que utilizar a maior força da natureza para cozinhar para nós e termos como resultado uns docinhos para o lanche de miúdos e graúdos é tão estimulante, que até a preguiça que me assola com este calor, se evaporou e me fez levantar do sofá!

A receita escolhida foi uns queques desta flagrante delicia de site, que já tinha experimentado há uns meses atrás e que tinham conseguido a proeza de conquistar o meu relutante filho mais velho...só o mais novo é que ainda anda no zero de doces aprovados, ó menino difícil!
As diferenças entre o forno solar e o forno convencional, foram no tempo de cozedura. Enquanto que no forno convencional, no máximo em 20 minutos têm os bolinhos cozinhados, no forno solar uns cozem mais rápidos do que outros, o que faz com que tenhamos de ir tirando os queques que vão ficando prontos. Entre os primeiros a sair até os últimos, demoraram entre 40 minutos a 1h10. 
Já o resultado em termos de sabor e consistência, garanto que é exatamente o mesmo do forno convencional, mas com as óbvias vantagens da poupança de energia e da nossa cozinha continuar fresca, sem aquele calor residual de um forno ligado!

Os queques dentro do forno solar
Queques rápidos de iogurte
adaptados  daqui

200g de farinha de trigo T55
7g de fermento químico, tipo royal
150g de açúcar
125 de iogurte natural sem açúcar
100g de manteiga derretida
1 ovo + 1 gema
1 colher de chá de essência de baunilha

Pré-aquecer o forno a 180ºC. No forno solar, pré-aquecer pelo menos 20 minutos.
Colocar formas de papel tamanho 5 em formas de queques. No caso do forno solar, as formas tem de ser escuras.
Peneirar a farinha com o fermento e misturar o açúcar.
Noutra taça, bater o ovo, a gema, a manteiga, o iogurte e a baunilha apenas até estar tudo homogéneo.
Adicionar a mistura da farinha e açúcar e misturar rapidamente, apenas até estar tudo envolvido.
Com a ajuda de uma colher de gelado, colocar a massa nas forminhas preparadas.
Cozer até que comecem a ficar dourados e ao inserir um palito este saia seco.
Retirar os queques de dentro das forminhas e deixar arrefecer numa rede de pastelaria.




Renderam 20 queques. E se são rápidos a fazer, também foram bastante rápidos a desaparecer ao lanche! Mais experiências com o sol fervilham na minha cabeça...


1 comentário:

  1. Que interessante! Nunca tinha ouvido falar de fornos solares! Vou investigar...

    ResponderEliminar